The Siege of Dragonspear e (novamente) o problema da intolerância

The-Siege-of-Dragonspear

Na semana passada a Beamdog lançou o The Siege of Dragonspear, uma grande expansão para o remake do Baldur’s Gate e se o DLC serviu para fazer a alegria de muitos fãs que por vários anos esperaram para voltar ao universo do clássico, ele também deu início a um show de intolerância.

Tudo começou quando algumas pessoas encontraram uma personagem não-controlável chamada Mizhena e ao lhe perguntar seu nome, ela nos diz que passou a ser chamar assim há alguns anos, já que o nome que lhe foi dado no nascimento não era adequado. Então temos a opção de questionar o porque do nome não ser adequado e a resposta que recebemos é a seguinte:

Quando nasci, meus pais acharam que eu era um garoto e me criaram como um. Com o tempo, todos entendemos que na verdade eu era uma mulher. Criei meu nome das sílabas de diferentes línguas. Todas tem um significado especial para mim, ele é um real reflexo de quem eu sou.

Isso foi o suficiente para que um grande número de pessoas fizessem análises negativas para o The Siege of Dragonspear tanto no Steam quanto no GOG, com boa parte delas acusando a desenvolvedora de querer faz justiça social e até mesmo exigindo que a personagem seja retirada por se tratar de conteúdo ofensivo. Diante de uma situação tão delicada, o CEO da Beamdog resolveu se posicionar.

Prometendo total apoio à sua equipe, Trent Oster afirmou que o estúdio está de olho no feedback prestado pelos jogadores, tantos os positivos quanto os negativos, mas que nunca aceitarão ameaças e perseguições a pessoas que trabalhem com a criação de games (especialmente Amber Scott, roteirista do jogo), algo que tem sido visto frequentemente em críticas e comentários feitos pela internet.

Já para tentar amenizar a situação, Oster disse que uma futura atualização mostrará Mizhena com uma história mais elaborada e outra mudança acontecerá com um personagem chamado Minsc, que durante um diálogo faz referência ao controverso caso que ficou conhecido como GamerGate.

A história envolvendo o The Siege of Dragonspear ganhou tanta repercussão que até Ed Greenwood, criador da ambientação Forgotten Realms do Dungeons & Dragons, resolveu se posicionar e lembrou em sua página no Facebook que os jogos de fantasia sempre estiveram cheios de personagens “vestidos com roupas de outros sexo, que mudaram de gênero ou mesmo bissexuais ou abertamente gays.”  Além disso, ele ainda cita os meio-orcs, os meio-dragões e meio-elfos, e se uma pessoa pode lidar com sexo entre espécies, ter personagens com gêneros diferentes não deveria ser algo tão chocante.

Infelizmente tudo isso serve para confirmar o quão intolerantes são algumas pessoas, algo que parece ainda mais forte no mundo dos games e se alguém chega ao ponto de ameaçar um roteirista ou se orgulhar de utilizar uma modificação para não ter que se encontrar com um transgênero em um jogo, fico imaginando como elas lidam com o mundo real.

Fonte: Gamasutra.

Relacionados: , , , , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • Carl Segão

    Essas pessoas são muito intolerantes.. MORTE AOS INTOLERANTES!

    /s

    • Renato

      kkk

    • Antonio Azevedo

      Você está sendo muito intolerante com os intolerantes. Morte aos intolerantes com os intolerantes!

  • Thiago

    Mano… Que BIZARRO. Depois que li a fala dela tive até que pensar um pouco para encontrar um motivo para alguém reclamar… Pelamor… Já está na hora do universo mandar um RESET de uns kilometros de diâmetro pra cá…
    (Só fico com pena dos animais -seres vivos- que não tem culpa de nós sermos assim.)

    • Eu não tenho dó dos pombos, malditos ratos de asa que tem mira laser no fiofó, se estiverem voando, serão evaporados primeiro.

  • Diego Marco Trindade

    Como tem gente com sexualidade reprimida né? Tenho que achar a fonte, mas um documentário inglês mostrou que as pessoas mais homofóbicas provavelmente são pessoas homosexuais reprimidas. Como o caso do senador (acho que americano, ou da corte dos lordes) que sempre votava contra interesses homosexuais e foi pego com um cara no banheiro de um aeroporto…

    • Renato

      Então a culpa é dos homossexuais?

      • Samuel

        Reprimidos… rs

      • Diego Marco Trindade

        Você que está dizendo isso. Eu só disse que as pessoas mais homofóbicas tem a sexualidade reprimida. Podem dizer que são heteros, mas eu não gostaria de ver o histórico da internet desses caras.

        • Renato

          O que você disse foi isso aí: “um documentário inglês mostrou que as pessoas mais homofóbicas provavelmente são pessoas homosexuais reprimidas.”
          Até acho que isso tem um pouco de verdade, da mesma forma que existem negros que não gostam de negros.

          • Exato. mas se discutirmos isso alguma “minoria” ou “defensor de minoria” “étinica” ou “homosexual” virá apontar o dedo em riste pra nós…

          • MxlBR

            Eu não gosto de negros, por isso retirei todos os espelhos de casa.

            Na verdade a culpa não seria das pessoas que reprimem sua sexualidade ou sentem vergonha da sua etnia.

            O culpado disto tudo é a cultura eurocêntrica machista que perdurou por vários séculos, hoje escancarada e enfrentada.

            Muitos sentem vergonha de sua cor, pois as boas pessoas retratadas pelas histórias são caucasianos, difícil achar um herói indígena, negro, asiático ou mulher.

            Isto influenciou, negativamente, varias gerações, hoje, com menor poder de influência, em decorrência de políticas públicas autoafirmavas. Que são, demonstrar às minorias que não são menos capazes que o padrão estabelecido.

            Ora, muitas mulheres pintam o cabelo de loiro, fazem alisamento, tratamento para branqueamento de pelo.

            Raras exceções de pessoas que fazem isso pelo simples desejo de sair da rotina, a grande maioria busca se parecer com o padrão aceito pelo sociedade. Em busca de uma autoaceitação.

            Toda fase de transição é turbulenta. Com educação, esta é a única solução para os intolerantes, os reprimidos, os excessivamente corretos politicamente, etc.

          • Renato

            Mas essa cultura machista dava mais direitos e responsabilidades para os machos brancos. Hoje todas as “minorias” querem ter os direitos, iguais ou maiores, mas as responsabilidades ninguém quer.

          • MxlBR

            Cara, discordo da sua opinião.

            O machismo impõe responsabilidades a todos, homens e mulheres. Ao homem em ser o “fodão” e a mulher a ser subserviente, pura, casta, ter sua liberdade açodada.

            Ademais, veja o machismo no continente africano, nas tribos indígenas.

            Provas imbecis de coragem, rituais violentos para demonstrar a masculinidade.

            Veja nos países árabes, marido com direito a matar mulher infiel.

            Então, ao meu ver, o machismo trás responsabilidades a todos, em diferentes proporções.

            E não dá mais direito a machos brancos. Mas a machos. O que dá mais direitos aos brancos é o eurocentrismo. A valorização do caucasiano, conquistada pelo domínio cultural do europeu sobre o mundo, desde os tempos romanos.

          • Renato

            Você levou pra longe, africa, europa, eu estou falando do Brasil, contexto onde estou inserido. Aqui já estão abusando.
            Todo mundo deveria ser igual, mas as leis são diferentes. É cota racial pra um lado, feminicidio pro outro, lei de homofobia. Estão querendo corrigir as diferenças baseando em cor, sexo e sexualidade, inclusive criando leis que aumentam essa separação.
            O pior é que conhecendo o Brasil como conheço essas leis ficam apenas no papel, não vão adiantar em nada.
            Querem buscar a igualdade legalizando a diferença, isso nunca vai dar certo.
            A diferença vai ser corrigida, a longo prazo, quando as pessoas puderem ter oportunidades iguais, levando em conta sua capacidade e esforço, não cor da pele, sexo, idade ou sexualidade.

          • MxlBR

            Cara, o post é sobre uma reclamação internacional.

            Minha primeira opinião, a qual você respondeu, engrandecendo o debate, também foi mundial, pois citei heróis, personagens que não existem aqui.

            Agora em relação às cotas, eu sou favorável à cota social. Sim, pessoas que só tiveram acesso à péssima educação pública devem ter cotas, para que consigam se formar e, futuramente, não dependam de programas sociais do governo, tenham uma renda boa o suficiente para educarem seus filhos, a próxima geração, em escolar melhores.

            Agora quanto à igualdade, cito Rui Barbosa, um dos maiores gênios mundiais do Direito, e brasileiro:

            “A regra da igualdade não consiste senão em quinhoar desigualmente aos desiguais, na medida em que se desigualam. Nesta desigualdade social, proporcionada à desigualdade natural, é que se acha a verdadeira lei da igualdade… Tratar com desigualdade a iguais, ou a desiguais com igualdade, seria desigualdade flagrante, e não igualdade real.”

            Um exemplo bem simples, você não pode tratar um cego como se trata quem consegue enxergar.

          • Renato

            Ta bom, agora Cor de Pele, Sexo e Sexualidade são deficiências físicas.

          • MxlBR

            Onde eu falei que são deficiências físicas? Citei o exemplo de um deficiente físico para você entender claramente a citação, que fala de desigualdade.

            Uma mulher não é igual um homem, um idoso não é igual um jovem, um pobre, um negro e uma mulher não tem as mesmas oportunidades que um homem branco.

            Veja bem! Isso que estou falando você não pode negar.

          • Renato

            Um branco pobre tem mais oportunidades que negros ricos? O problema é riqueza, não cor da pele, sexo ou sexualidade.

          • MxlBR

            Por isso eu falei que sou a favor de cotas sociais. ¬¬

            E quanto ao resto, minha última resposta já foi bem clara. Não serei repetitivo.

    • Carl Segão

      Recomendo um documentário no Netflix chamado “Outrage”

    • HomeroGamer-BanidodoMB

      Na minha cidade um vereador todo machão, patrão de CTG, cheio das moralidades e bons costumes… Tá sendo processado por não pagar os motéis para onde ele leva os parceiros (sim, no masculino) de jogos dele… Os motéis levaram as documentações, filmagens e fotos dele chegando com amiguinhos para jogar videogame. Por sinal parece que ele não pagava as apostas quando perdia no enduro…

    • Mirai Densetsu

      Ou um certo deputado federal evangélico que era conhecido por se vestir de mulher.

  • Anderson Pontes

    Da medo de povoar um mundo cheio dessas pessoas intolerantes

  • Renato

    Acredito que ninguém é obrigado a gostar de ninguém, seja pelo motivo que for, feio, bonito, gordo, magro, baixo, alto, gay, hétero, etc.
    Mas daí a exigir a retirada do jogo de um personagem só porque não gostaram é complicado, tem que ver o direito dos outros usuários que gostaram do personagem.
    No fim da contas como sempre vai mandar o mercado, se as vendas do jogo caírem e perceberem que é por causa do personagem, com certeza ele será removido.

  • Samuel

    Que absurdo! Como este mundo está intolerante! Como pode? (já me sinto uma pessoa engajada e melhor)

    • Carl Segão

      Faltou o “Se concorda comigo, clique em ^ e vamos mudar o mundo juntos”!

      • Samuel

        Dá tempo de editar…

        • Dá… Se concorda comigo, clique em editar… e vamos… ahmmm, nope, você vai mudar o coment sozinho mesmo! =P

  • Este “fiscais intolerantes”, não dão conta que estão destruir história (fantasia/real). Pegando o parte com ralidade comum ou mostra um parte algum que não saibamos. Em certo acontecimento histórico ou pessoal.

  • mr_rune

    A sexualidade dessa personagem influencia no gameplay ou história ? Os poderes dela dependem disso ? Se não, é justiça social gratuita e desnecessária e eu sou contra.

  • Reinaldo Matos

    ITS JUST A FUCKING GAME BITCHES…

  • Já está na hora dos desenvolvedores mandar um “VÃO SE FODEREM” pra essa galera que só quer palco pra vomitar e cagar suas definições de mundo perfeito, chega!.

    Tenho a impressão que aproximadamente 30% realmente não estão de acordo com aquilo e o restante são só papagaios acéfalos seguidores de pesamentos controversos e do senso comum que ficam replicando o que leem.

  • Rafael Linhares

    li uma notícia que dá conta que a Beamdog vai mudar essas linhas de diálogos, o que acho lamentável.

    • Isso não é verdade;
      “Já para tentar amenizar a situação, Oster disse que uma futura
      atualização mostrará Mizhena com uma história mais elaborada e outra
      mudança acontecerá com um personagem chamado Minsc, que durante um
      diálogo faz referência ao controverso caso que ficou conhecido como
      GamerGate.”

      • Rafael Linhares

        melhor então,mano.

  • OverlordBR

    GO FOR THE EYES, BOO! GO FOR THE EYES!

  • MEODEOS um NPC entre os 24234823 outros tem um pinto imaginário? PAREM. TUDO.

  • Marcelo Eiras

    Vendo os comentários negativos a grande maioria está reclamando de bugs e problemas com multiplayer. Está me parecendo que o desenvolvedor viu meia dúzia de pessoas reclamando do personagem LGBTXYZ e resolveu malandramente se vitimizar para chamar a atenção e desviar o foco dos problemas técnicos do DLC. Existem vários jogos com personagens gays e que não tiveram estas reações, por exemplo: Fable, Dragon Age, Mass Efect, Metal Gear Snake Eater, The Last of US,GTA IV, etc
    E nem vou levantar a lebre que gente da própria equipe de developers tenha começado ou colocado mensagens homofóbicas para colocar lenha na fogueira.

    • Flávio Junior

      Exatamente isso. E os portais americanos aproveitaram o clickbait. E os brasileiros traduziram. E agora estão tentando justificar o erro.
      Sobre a aparição do personagem trans, me lembrou aquela esquete do Jim Carrey, ela menciona o fato de ser trans na terceira linha de diálogo, é como se ela não tivesse mais nada a dizer; não é assim que funciona no mundo real. Personagens trans estão muito mal representados nesse jogo.

      • E os brasileiros traduziram. E agora estão tentando justificar o erro.

        No caso, eu que estaria tentando justificar o erro? Qual erro?

        • Flávio Junior

          O erro é do jornalismo gamer no geral, não seu. Explico-me: menos de 5% das críticas ao jogo citam a referida personagem, porém não se vê artigos jornalísticos falando dos problemas reais do jogo que são: texto mal elaborados (num jogo que é conhecido por suas histórias incríveis), falta escolhas nos diálogos, saves corrompidos (alguns jogadores perderam saves com centenas de horas), bugs na UI e multiplayer, crash e compatibilidade quebrada com mods antigos consagrados, entre outros.

          Nenhum artigo que li até agora cita isso. Eles aproveitaram-se da crítica de uma minoria para fazer essa tempestade num copo d’água e gerar acessos no processo. Os artigos foram traduzidos, mas ninguém se importou em averiguar as fontes ou mesmo verificar as páginas GoG, Metacritic e Steam onde as tais críticas transfóbicas estariam figurando no topo. Agora nos encontramos naquela situação muito comum nos fanfics de esquerda, quando se descobre que a história foi vastamente exagerada: “ah mas a discussão é importante, as críticas são válidas, etc.” A realidade é que o problema central do jogo nunca foi a NPC, longe disso.

          Meus dois centavos sobre a abordagem da personagem trans no jogo: a personagem foi mal elaborada (INCLUSIVE posso comparar com personagens trans que já existem na franquia), a 3ª linha de diálogo dela ela já vem mencionando o fato de ser transgênero (um tema que é abordado de forma totalmente diferente pelas pessoas trans na vida real), como se essa fosse sua característica principal. Até mesmo os desenvolvedores constataram isso, e vão reescrever uma história mais elaborada para ela por esse motivo. Essa abordagem rasa não contribui para a diversidade, deixa claro que é algo forçado – assim como ficaram extremamente forçadas as piadinhas do Minsc criticando a Gamersgate, entre outras tentativa de diálogo progressista (como quando uma personagem diz ao irmão que a mãe deles não precisa da ajuda dele, porque é uma mulher forte e indepente; isso num contexto totalmente estranho).

          • “ah mas a discussão é importante, as críticas são válidas, etc.”

            Sim, a discussão é MUITO importante e na minha opinião, muito mais importante do que nos debruçarmos sobre os problemas que o jogo teria e que não posso confirmar, pois não o joguei.

            Acho que o seu último parágrafo extremamente relevante e como disse no post e você confirmou, a própria desenvolvedora está ciente dele e já anunciou mudanças.

            Eles estariam usando a personagem para se esquivar das críticas? É possível, mas eu não posso fazer esse tipo de acusação pois seria mera especulação, ou fanfic e assim acredito que eu estaria cometendo um erro.

            De qualquer forma, temos que levar em consideração o quão tóxica costuma ser a comunidade gamers com minorias e se os ataques foram na casa das dezenas, centenas ou unidades, sinceramente considero isso irrelevante, o fato é que aconteceram.

  • Felipe Torrezini

    Mas que droga! Agora estou jogando Shadows of Amn pela terceira vez sem completá-lo e depois de tanto tempo continuam lançando expansões.

  • [OFF]Eu aproveitei a promoção da Steam e comprei o Baldur’s Gate e agora tou com as seguintes dúvidas, se alguém poder me ajudar agradeço:

    1- Eu posso jogar normalmente apenas com um personagem ou preciso necessariamente montar uma equipe?

    2- Na opção multijogador eu posso usar o mesmo personagem que criei para a campanha offline e vice-versa? Inclusive com a mesma rolagem de dados? [/OFF]

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis