Free Basics do Facebook é bloqueado no Egito por se recusar a ser ferramenta de espionagem

facebook-egypt

O Facebook está acumulando derrotas em países emergentes, do tipo que podem comprometer seus planos de crescimento nesses locais. Também pudera, a ideia por trás do programa Free Basics que oferece acesso gratuito a quem não pode pagar por conexões de dados está deixando o pessoal que defende a neutralidade da rede bem fula. Só que o último caso não ocorreu por causa disso.

Em dezembro, meses antes da Índia bloquear a prática em seu país o mesmo já havia ocorrido no Egito. Só que agora chegam informações de que o banimento se deu não por questões de igualdade de acesso, mas sim porque a empresa do Zuckerberg se recusou a colaborar com o governo e fornecer a possibilidade de espiar os usuários.

Vamos contextualizar as coisas primeiro: o Free Basics é um programa que visa oferecer um pacote de sites para usuários de serviços móveis em países em desenvolvimento, que geralmente contam com pacotes de dados caros ou bem restritos. O acesso é oferecido gratuitamente pelo provedor sem que o Facebook pague um tostão, na esperança de que tais usuários se tornem consumidores em potencial de seus produtos. É basicamente a “dose grátis”, em você vicia a pessoa e quando ela quiser mais, terá que comprar planos de acesso.

facebook-free-basics

Os problemas em quem determina o que será liberado gratuitamente, e esse obviamente é o Facebook. Em países que estão se expandindo e que possuem um grande número de usuários conectados, como Índia e Bangladesh por exemplo, oferecer um plano gratuito de acesso soa como uma trapaça das grossas, pois concorrentes com um poder político e financeiro menor que a rede do Zuck (praticamente todo mundo, exceto o Google; mas esse tem seus próprios esqueletos no armário) perdem essa guerra antes mesmo do primeiro tiro ser dado. É uma concorrência deveras desleal.

Em dezembro a TRAI (Telecom Regulatory Authority of India) decidiu bloquear o Free Basics temporariamente alegando o princípio da neutralidade da rede, e Zuck obviamente não gostou nem um pouquinho. Em fevereiro, através de um novo conjunto de regras (cuidado, PDF) o órgão efetivamente chutou o programa do Facebook do país.

Uma semana depois da Índia suspender o Free Basics, o Egito tomou a exata mesma decisão. A lógica dizia que o motivo era o mesmo, o órgão regulador estava defendendo a neutralidade, a igualdade de condições para todas as empresas, puxando o tapete das operadoras, etc. Bem, agora descobrimos que não foi isso o que aconteceu.

egypt-internet-icons1

A posição oficial do governo egípcio diz que a licença da operadora local Etisalat só previa o funcionamento do Free Basics por apenas dois meses, e este seria o motivo real para seu bloqueio no dia 30 de dezembro último. Adicionalmente, o comprometimento da neutralidade da rede seria a razão dele não ser retomado posteriormente.

Entretanto, fontes próximas informaram à agência Reuters que as autoridades locais desejavam que o programa fosse utilizado como um intermediário, fornecendo as ferramentas necessárias para que os agentes egípcios pudessem espiar livremente os dados de todos os usuários. Ao obviamente recusar a proposta, o Free Basics foi devidamente bloqueado.

O Facebook não comenta o que ocorreu, e as autoridades egípcias reafirmam o compromisso com a neutralidade o verdadeiro motivo. De qualquer forma o serviço em si é nocivo para a manutenção da internet como um todo e seu acesso igualitário, porém ser utilizado como ferramenta de espionagem é um pouco demais.

dilma-zuckerberg

E o Brasil?

É interessante discutir este ponto. O Facebook já manifestou interesse em trazer o Free Basics para cá, observando que o zero-rating (onde não se cobra por acesso de determinado serviço de internet) é prática comum de todas as operadoras, algo que para os especialistas infringe o Marco Civil da Internet ao comprometer a neutralidade da rede. O programa já está em fase de testes em algumas comunidades do país, como em Heliópolis. O grande problema é que, como o Ghedin menciona aqui diversos pontos do texto sancionado pela presidenta Dilma Roussef foram deixados para serem regulamentados via decreto. A neutralidade é um deles.

O debate público da minuta foi encerrado no dia 29/02, e agora um texto final será elaborado para aprovação posterior. Até lá ficamos nesse meio-termo. O bom para os envolvidos na regulamentação olharem para o que a Índia fez e pensem bem em que tipo de internet querem aqui, de preferência sem encher o telhado do Marco Civil de furos. E não imitem o Egito.

Fonte: Reuters.

Relacionados: , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar
  • Meio irônico isso, sendo que eles estão usando até o Oculus Rift pra se apropriar de metadados e criações na plataforma… (como está no post do ODZ de hoje, que não aparece por causa de nosso server bugado… nos dêem sugestões de host barato e funcional, por favor)
    …e neutralidade da rede aqui na Banânia, que cada dia que passa estará mais perto de ser mais uma ferramenta pra DitaDura…
    EDIT: o site voltou.
    http://www.ordemdazoeira.com.br/espionagem-em-vr/

    • ochateador

      ovh ?
      kimsufi / kemeda (plano de pobre para quem não consegue um ovh) ?

      Mas mesmo quem pega um kimsufi tem um host robusto, só precisa fazer a configuração do 0 XD

      • Tava vendo no Kinghost, o plano de 10GB de armazenamento parece ser o suficiente, fora o preço… e me parece descomplicado, já que sou uma negação pra ficar migrando tudo….

        • Tu também é uma negação pra outras coisas, mas deixa baixo… =X

      • Angelo Rocha

        Foda do Kimsufi/Kemeda é que eles não garantem backup, e mesmo sendo um preço leal por um dedicado, não ter a garantia da integridade dos meus dados me deixa preocupado, OVH ainda é muuuuuuuuuuuito mais barato que qualquer serviço nacional que além de caro não oferece a qualidade deles (OVH). Opinião minha.

  • Saul Goodman

    Incrível como o termo “concorrência desleal” é usado para justificar restrições à liberdade. Uber é concorrência desleal. Airbnb é concorrência desleal. Qualquer inovação que tire a concorrência da zona de conforto ou a torne obsoleta é sempre condenada.

    Quando se trata de um serviço gratuito é ainda mais ridículo. Propor um serviço grátis impondo restrições é totalmente legítimo. Não há nada de errado em uma companhia de transportes oferece viagens sem custo exclusivamente para o interior do Acre. Se o indivíduo aceitar as condições significa que viajar para o interior do Acre é melhor que não viajar. Impedir que pessoas exerçam contratos voluntários e pacíficos é que é desleal.

  • Cacio Frigerio

    mais um texto com explicaçoes chave extremamente confusas. foi só eu?

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples