Míssil Pr0n Made In Índia — BrahMos

wawawewa

Antes de mais nada pare de ler este post e veja este vídeo da Rafael israelense cortejando o mercado indiano de defesa. É apenas… épico.

Voltou? Ok, então continuemos. A Índia, como você sabe, não é muito boa em datilografia ou sandálias de pneus mas tem um programa espacial respeitável. Isso não vem totalmente de amor à ciência e coração puro. A tecnologia veio primariamente da área de defesa. A Índia vive em estado de guerra morna com o Paquistão desde sempre, como resultado ambos entraram em uma corrida armamentista e hoje possuem até armas nucleares, mesmo o Paquistão tendo um PIB equivalente a 1/10 do brasileiro.

Foguetes são essenciais para isso, e com a expertise adquirida a Índia foi a Marte. Antes que você critique, dê uma olhada no currículo de Werner Von Braun.

Como a Índia sempre foi meio independente (too soon?) não se tornou mera compradora de tecnologia e, na impossibilidade de só vender, outros países ofereceram BrahMos, projeto construído em conjunto com a Rússia, e talvez o melhor e mais versátil na categoria de míssil de cruzeiro supersônico de curto alcance.

Veja que linda a sequência de lançamento da versão para submarinos:

woahdude

Lançado de até 50 m de profundidade, primeiro é ejetada uma coluna de ar pressurizado, criando um canal seco até a superfície. Um foguete impulsiona o míssil. Saindo do mar dos retrofoguetes reduzem a velocidade vertical para zero. Um segundo foguete gira 90 graus, um terceiro cessa o giro. A proteção da fuselagem é ejetada, o motor principal é acionado e o míssil pega velocidade horizontal. Mais adiante o motor-foguete é ejetado, o BrahMos entra em modo Ramjet e percorre uma distância que segundo algumas fontes chega a 500 km, levando uma ogiva de 300 kg, convencional ou nuclear.

brahmos_top

Dr Strangelove, com dancinha?

O bicho tem versões navais, submarinas, de solo e estão trabalhando em uma aérea. Pode atingir alvos em terra e no mar. Um Tomahawk, o pau-pra-toda-obra dos EUA viaja a Mach 0,7. O BrahMos faz Mach 3,0. Isso o torna muito mais complicado de interceptar, ainda mais fazendo Mach 3 a 4 m de altura sobre o mar. O custo é bem razoável, uns US$ 2 milhões por míssil, ainda mais levando em conta o que ele pode fazer.

Veja 3 minutos de puro Míssil Pr0n, com o BrahMos atingindo alvos diversos:

Shiv Aroor — Awesome footage of BrahMos in action

Pouquíssimos países no mundo possuem tecnologia para desenvolver mísseis de cruzeiro, e enquanto nossos foguetes espaciais explodem sozinhos, nossos mísseis explodem o inimigo. A Avibrás colocou o Brasil no clubinho fechado desses países, com o AVMT-300 Matador, um míssil de cruzeiro com alcance de mais de 300 km, disparado de lançadores Astros 2020.

Sim, minha esperança é que nosso programa espacial decente venha dessas empresas. Pelo bem dos pinguins, que já têm focas pra se preocupar, não precisam de satélites assassinos.

Relacionados: , , , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples