Mobile
Mobile
Digital Drops Blog de Brinquedo

Denúncia: a maioria dos apps de celular estão mortos!

Por em 5 de setembro de 2013
emApple e Mac Celular Computação móvel Google Software relacionados  
Mais textos de:

Site | Twitter
  • Xultz

    “testou os principais sistemas operacionais e o Windows Phone”

    Caramba, o Windows Phone sequer entra na categoria de sistema operacional?

    • Fausto Biazzi de Sousa

      Não entra na categoria “principais” já que até o S40 tem mais ativações

    • Helder Bueno de Freitas

      Ele quis dizer que não entra na categoria dos principais sistemas operacionais, mas eu desconfio que ele esteja falando uma piada, mas talvez ele possa estar falando de forma séria.

  • Fausto Biazzi de Sousa

    Ao meu ver teria uma forma mais simples e pouco nociva para ao menos o google lidar com esse cemitério de apps.

    Cria duas categorias de cadastro, empresarial e independente.

    no empresarial exija = garantia de atualização e suporte por no mínimo um período “X” e se o sistema deixar de ser atualizado antes bloqueia o pagamento até a mesma justificar. passado o período de “garantia” a empresa pode descontinuar, mas ai o play vai lá e deixa BEM visível quando foi a data do último update e após alguns meses (digamos 6) coloca junto do app a mensagem “produto possivelmente descontinuado”.

    Já pro amador/liberal/freelancer/independente = todo aplicativo seria apresentado desde o lançamento com a data do último update ostensiva e com o alerta de que o mesmo é feito por um desenvolvedor independente. passado um período sem atualizações, repete o processo do empresarial e mete um “produto possivelmente descontinuado”

    Mas isso é complicado e eu não trabalho lá portanto seguimos filtrando os apps com base nas avaliações dos usuários.

    • Edmilson_Junior

      E você duvida que o dev, seja empresa ou independente, não vai pegar o jogo atual, trocar o nome de um item e reenviar chamando de atualização?

      • Fausto Biazzi de Sousa

        Não duvido de forma alguma que isso ocorra. Afinal, com o perdão do termo, filho da puta existe em todo lugar!

        Existem “n” formas de manter um controle de modificações de versão de forma a verificar se uma atualização é verdadeira ou falsa, depende só de uma playstore da vida ter interesse de empregar.

        Porém mesmo com um método de controle sendo usado afim de barrar “fraudes” é de ciência de qualquer um que NÃO EXISTE SISTEMA PERFEITO, portanto, mesmo com esses procedimentos sempre existiriam aqueles programas mortos e que ainda constam como ativos e o escambau.

        • Edmilson_Junior

          O Problema maior é definir se aquilo foi tramoia ou se foi realmente uma atualização de item com o nome errado ou uma virgula faltando que fazia um bug acontecer. Só checando manualmente e testando um por um.

          • Fausto Biazzi de Sousa

            formas existem, qualquer GRANDE empresa de hardware e software tem um time especializado em engenharia reversa, soluções mais simples podem incluir reportes de bugs que remete a ela para acompanhamento, solicitação do envio do trecho do código alterado, verificação de amostragem etc, etc, etc…

            Mas como disse, tem que haver interesse das empresas em fazer.

    • http://facebook.com/leo_koester Leo Koester

      O suporte do Google aos desenvolvedores é uma merda, o que dirá pros usuários. Pra que se preocupar com coisas tolas como aplicativos mortos e se o usuário jogou o dinheiro dele fora se vai sair uma cópia mal feita pra morrer depois.

      Aliás, é só ir no Google, baixar o código fonte do App morto, corrigir os erros na excelente IDE de desenvolvimento do Android, recompilar e usar. Fácil.

  • Fernando Oliveira

    “…testou os principais sistemas operacionais e o Windows Phone…” ahauhauhauhahu Sacanagem da boa hein Cardoso! Mas sabe, até que eu gostei do Windows Phone.

    • http://contraditorium.com Carlos Cardoso

      Eu gosto muito dele, mas o marketshare ainda é minúsculo.

      • Luiz Felipe

        Um gnu/linux praticamente.

        • OverlordBR

          Ou talvez um Opera.

          • http://www.avault.com Saulo Benigno

            Um Opera, com certeza.

            E eu pensava que a Nokia seria que nem a Opera… que foi sobreviver utilizando webkit da concorrência.

        • http://facebook.com/leo_koester Leo Koester

          Praticamente, 4x o mercado Linux. A única “distro” Linux que fez sucesso mesmo foi o Android, que é de graça pro fabricante empurrar goela abaixo dos usuários.

      • http://ceticismo.net/ Pryderi

        EBA! Finalmente conheci o segundo usuário :D

        • ClaudioLisboa

          Terceiro.

          • http://livioribeiro.posterous.com Livio Ribeiro

            Quarto.

        • http://facebook.com/leo_koester Leo Koester

          Quinto.

  • Christian Oliveira

    Ou seja, aquilo que usuários de windows phone já sabem, toneladas de app são legais, mas chega uma hora que enjoa ficar garimpando qualquer coisa e as funções basicas do aparelho atendem muito bem o dia-dia.

    Fiz uma limpa nos meus espertophones e sobrou bem pouca coisa que valha ficar ocupando espaço na memória que poderia ser usado para fotos e musicas, para falar a verdade, outro culpado são os flippboards da vida que viram hubs de um monte de coisa.

    • Luiz Felipe

      Incrivel como usavam isso como motivo para não ter um SurfaceRT, eu tenho o meu e os programas que mais uso é o leitor de PDF e o IE10. Não é necessario ter toneladas de apps.

  • Ursinhomalvado

    O responsável por isso é justamente esta idéia de pague USD 1,00 e tenha seu App atualizado pra sempre. É inviável. Os resultados só podem ser dois. Apps abandonados e/ou versões 2.0 e Apps gratuitos com sistemas de ordenha (também conhecidos como “in-app purchase”).

    Comprei um tablet bem baratinho para leitura. É um Asus MemoPad. Até agora não topei com nenhum jogo que valesse a pena, tudo na base do “finge que é grátis”mas na hora de jogar te pede pra comprar moedinhas o tempo todo. Tudo bem, nem gosto muito de jogar em aparelhos móveis, prefiro mesmo é um PS3 e uma TV bem grande, mas o fato é que até comprar um jogo me dá medo nas plataformas móveis. Como saber se, mesmo pagando, o jogo não vai ser impossível de terminar se vc não adicionar as moedinhas a cada meia-hora? Prefiro pagar R$ 120 num jogo de PS3, mas ter a certeza de que não vou pagar mais nada e posso terminar o jogo.
    Plants vs Zombies entrou nessa no iPad. Eu preferia o antigo: paguei, joguei, terminei e parti para frente.

    • http://www.rudaalmeida.com.br/ Rudá Almeida

      “Prefiro pagar R$ 120 num jogo de PS3, mas ter a certeza de que não vou pagar mais nada e posso terminar o jogo.”

      Esse nunca ouviu falar em DLC.

      • Ursinhomalvado

        Existe uma grande diferença entre um DLC desnecessário (tanto que nunca comprei um) e a obrigação de comprar “moedinhas”para ir em frente num jogo. Tem jogo no Android que se vc não comprar as moedinhas vc nunca vai terminar. Parece que as pessoas aceitaram voltar aos tempos do Taitorama (Arcaide). Só que agora é pior, elas pagam pela máquina e depois colocam moedinhas continuamente para poder jogar.

  • mariomeyrelles

    Acho que realmente essa análise faz muito sentido. Só faz sentido usarmos e pagarmos por apps que realmente atendam bem nossas necessidades básicas diárias. Coisas como ferramentas de interação com pessoas, mensagens instantâneas, notícias e etc tendem a durar mais mesmo.

  • Bruno Rocha

    Isso é muito comum, sempre antes de eu baixar algum programa a primeira coisa que faço é ver a atualização,

    O mais morto que eu já vi é um programa que tem no Baixaki, de 1999, não é piada

    www . baixaki . com . br/download/lbe-helpdesk-3-1.htm

    repost

  • Bruno Rocha

    “É possível que chegue uma época onde as Microsofts, Googles e Apples da
    vida passem a exigir compromisso de longo prazo dos desenvolvedores.”

    Só que isso significa acordo mútuo, e a gente sabe que o programador é que se ferra. Isso ai vai é impedir a entrada de bons apps.

  • Adriano Garcez

    Todo mundo filosofando a respeito do mercado de apps, enquanto caio em tristeza por ver a lápide do TweetDeck. E eu pensei que com a compra do Twitter, iriam abandonar aquele app horrível e tornar o TD oficial. =/

  • David Cardoso

    Ah mas é muito relativo, uma app sem updates pode significar tanto uma app morta como uma app que já atingiu um nível de estabilidade, serve muito bem seu propósito, não tem bugs críticos e o desenvolvedor passa a focar em outra. Deve ser o caso do tweet-deck que comentaram aqui, não recebe mais updates mas se continua funcionando excepcionalmente bem, que mal tem?

  • Pingback: Uso do Windows Phone cresce 78 % no último quadrimestre

  • Pingback: Antes tarde Duke Nukem: Apple permite baixar a última versão funcional dos apps em clássicos aparelhos com iOS mais antigos

  • Pingback: 41% dos apps para Android estão “mortos”

  • Pingback: Blog Sony Xperia Brasil - 41% dos apps para Android estão "mortos"