Livros sobre games

Steven Poole é um colunista da Edge Magazine, uma das mais respeitadas revista sobre games do mundo. No ano 2000 ele lançou um livro chamado Trigger Happy. Nele, o autor traça um paralelo entre os games a diversas formas de cultura, como a pintura, o cinema e a literatura.

O livro é bem interessante e de fácil leitura (em inglês) e mostra mais uma vez os games como forma de cultura. O melhor é que Poole disponibilizou o download gratuito do livro. Embora seja um pouco antigo, o tema não deixa de ser atual e vale o download.  

Infelizmente a literatura sobre games no Brasil é escassa, portanto é difícil manter um conhecimento técnico sobre o assunto. A Editora Europa lançou no último dia 9 o livro A Arte dos Videogames que reúne esboços, ilustrações e o comentário das equipes de criação dos games.

Só nos resta esperar que iniciativas como a da Editura Europa se repitam e que o mercado nacional seja abastecido com mais livros de qualidade sobre os video games. Quem sabe um dia não ganhamos uma versão traduzida da bíblia “The Ultimate History of Video Games“.  

[via Tupinihon]

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • http://pietra@hotmail.com Anônimo

    “The Ultimate History of Video Games” é muuuito bom…
    xD

    Eu li grande parte dele, e seria realmente bom se atualizassem ele…

  • http://pietra@hotmail.com Anônimo

    Tecnologia em geral não faz parte da cultura do povo brasileiro, imagine video game …
    Não tenho essas esperanças todas … é como tentar ensinar um patricinha a jogar D&D …

    • http://pietra@hotmail.com Anônimo

      Cara, tecnologia no Brasil já foi pior. Ainda mais se você considerar os jogos. Os jogos aqui, no final de 2006, teve um BOOM. Hoje em dia você sabe que existe muitas empresas brasileiras desenvolvedoras. Antigamente só ACHAVA que existia.
      Cultura brasileira em games, só pra resumir, temos o Bola de Gude, que apesar de ser beem simples, foi bem reconhecido lá fora.
      OBS.: Patricinha nunca vai jogar D&D, mas vai jogar Barbie vai as compras ou então vai jogar The Sims e tentar simular o roubo do namorado da “melhor” amiga. Rsrsrs

  • http://pietra@hotmail.com Anônimo

    Faz uns dez anos que li um livro chamado “Os mestres do jogo” que conta a história da Nintendo. O livro é em português e pode ser achado em sebos. É muito interessante pois além da história da Big N existem passagens bem legais sobre outras empresas como a Sega, Microsoft, Apple, Eletronic Arts, e outras, bem como a impagável história do licenciamento do Tetris para o Game-Boy. Eu perdi esse livro e estou querendo comprá-lo para ler novamente. Recomendo!

  • http://pietra@hotmail.com Anônimo

    Um livro que passa perto desse é o “Killing Monsters” de Gerard Jones. Nele o autor levanta a questão da violência no entretenimento infanto-juvenil e destaca vários benefícios que fantasias violentas proporcionadas pelo entretenimento poderiam trazer no desenvolvimento das crianças. Tem um capítulo inteiro dedicado a jogos, principalmente os shooters. É uma tese que vai contra a maré, principalmente na aterrorizada sociedade americana, mas o sujeito tem uma argumentação muito boa. Infelizmente só existe em inglês, mas é fácil de encontrá-lo na Amazon. Vale a pena ler.