Google Keep – o Evernote de Mountain View

Google Keep no Chrome

Então que em uma bela quarta-feira de sol (ao menos aqui em Salvador) o gigante de Moutain View, sem muito alarde, lançou o seu mais novo serviço:

O Google Keep, um app para quem precisa fazer uma anotação rápida.

A ideia é simples: poder a qualquer momento, em qualquer lugar, escrever ou ditar – já falo sobre isso – uma anotação rápida, criar uma lista de tarefas ou tirar uma foto de algo importante ou não. Tal anotação estaria automaticamente sincronizada e você poderia acessá-la do conforto do seu lar através do seu navegador predileto (que obviamente seria um Chrome) pela maravilhosa rede mundial de comunicação aka internet.

Google Keep Android app

Cada anotação pode receber uma cor diferente o que ajuda na hora de saber o que procurar, além de deixar o widget do aplicativo no celular mais prático.

Além disso, ao invés de escrever, você pode ditar sua anotação e ela será devidamente transcrita, palavra por palavra no seu bloco de anotações… ou quase.

Quando eu disse “testando o reconhecimento de voz do Google Keep”, por exemplo, ele entendeu “testando o reconhecimento de voz do google tito”… Quase lá. Especialmente se levarmos em consideração que meu celular está configurado para entender português e “Keep” é, da última vez em que chequei, uma palavra inglesa. Um erro honesto, pode-se dizer.

O problema é que já vimos isso antes, e melhor: o Evernote faz exatamente a mesma coisa e ainda dá a opção de “taguear”, compartilhar suas anotações com qualquer pessoa, salvar uma página ou uma imagem da web e muito mais.

Já o Color Note pode não taguear como o elefante verde e nem ser acessado através de um browser mas, em compensação, tem algo que faz falta a ambos: um calendário. Nele é possível não somente organizar suas tarefas por dia específico como também criar alarmes para lembrá-lo sobre uma tarefa seguinte. Infelizmente esse calendário não pode ser sincronizado com a agenda do próprio celular (que por sua vez é sincronizada com o Google Agenda), é algo que realmente senti falta no Keep. Isso sem contar com o fato de ter widgets que lembram os bons e velhos post-its que acostumei a colar na borda do meu monitor.

Google Keep Android Widget

O maior problema que vejo no Google Keep não é a falta de sincronização com a agenda, não soar alarmes para lembrar as tarefas, a falta de opção de compartilhamento ou mesmo tags. O problema é que eu já vi algo bem parecido com isso antes e o próprio Google decretou sua morte algum tempo depois de lançado. Ou vocês já esqueceram do finado Google Notepad?

A morte anunciada do Google Reader na semana passada mostrou um lado do Google que poucos gostam de lembrar: o de empresa que precisa lucrar e, com isso, aplicativos que não dão dinheiro suficiente têm um mesmo destino, o cemitério.

Essas mortes levantam uma questão importante: até que ponto podemos confiar no Google? Afinal, hoje em dia, dependemos dele para quase tudo: desde buscar o significado de um termo qualquer a saber se o mesmo estaria escrito de forma correta. Dependemos do Maps quando estamos perdidos, usamos o Gmail e até compartilhamos materiais sensíveis através do Google Docs Disco Drive.

Aos poucos o Google está se transformando no mais próximo que temos de uma divindade. Ao menos onipresente ele já é. Desde que tenhamos uma boa conexão, claro, e até disso já estão cuidando lá pelas bandas da terra do tio Obama. O jeito é rezar, só que bem baixinho pois vai saber o quão alto o Google Voice Search pode ouvir, não é?

Relacionados: , , , , , , , , , , ,

Autor: Roberto Camara Jr.

Compartilhar
  • A morte do Reader me deixou tão bolado que baixei o Thunderbird. Uso o Evernote há um tempão e não pretendo trocar.

    • José Luis Junior Segatto

      Dê fato a falta de respeito do Google matando serviços utilizado por milhares ao invés de milhões deixa uma certa desconfiança.

      • Keaton

        Se não consegue por advertsing, o Google vai e mata.

        • José Luis Junior Segatto

          Ok, é assim que o Google ganha dinheiro. ninguém disse que se tratava de filantropia.
          Acho que o ponto é: até que ponto compensa quebrar a cabeça pra tornar um serviço lucrativo se esse serviço é utilizado por “tão poucas” pessoas?
          O problema é que tem a volta, onde o consumidor* pondera não utilizar os serviços da empresa que, de repente, some com seus serviços, enquanto tem outras mais confiáveis (pelo menos até o primeiro rolar de cabeças).

          *ok, não somos consumidores do google. somos produto. mas um produto que deve ser bem tratado pra continuar cativo.

          • Keaton

            Eu pagaria para poder usar o iGoogle e outros outros recursos do Google.

            Até valeria a pena, mas aparentemente o Google está mudando o próprio foco. Ao invés de 100% web, uns 30% web e 70% Android.

  • “Então que em uma bela quarta-feira de sol (ao menos aqui em Salvador)” …. frase redundante… uahuahhuahuuha brincadeiras a parte, otimo texto e recurso interessante esse do google…. quem sabe se fizermos brarulho em alguns foruns o google resolva adicionar sincronização entre agendas e alarmes… seria ótimo.

  • Esse Keep é uma porcaria. Não sei se eles pretendem aprimorar o sistema. Mas por enquanto está muito ruim. Não entendi pq lançaram um produto tão mal acabado.

    Alguns problemas:
    – ainda não tem integração boa com o Google drive (parece que farão futuramente)
    – não tem integração com o Google Calendar
    – não permite organização de anotações em grupo
    – não permite enviar as anotações por e-mail (gmail)
    – As listas de ´tarefas´ não podem ser organizadas em sub-pastas
    – não tem nenhuma integração com o G+ (não vi nenhuma)
    – não “conversa” com o Google Task

  • Sinceramente? Não tem 10% das utilidades que um evernote nos proporciona. Evernote funciona bem em qualquer dispositivo (Seja android, WP, IOS, Metro UI, BlackBerry…), então… porque trocaria um software do porte do Evernote pelo Keep? Só porque é do Google? É…. não, obrigado.

    • José Luis Junior Segatto

      Eu entendo que está num estágio inicial. Sou muito fã do Elefante, mas vejo nítidamente que as novidades saem primeiro para as Maças (Aguardo anciosamente app de handwrite deles pra androide (ou “para o Robô”, pra continuar com a brincadeira)).
      Dê repente esse produto num estágio futuro faça frente ao Evernote.

      Concorrência é sempre bom para o consumidor.

      • Concorrência é boa, mas, depois do Reader (um simples Reader) a imagem do google ficou muito “arranhada”. Imagine você dar real valor para o app, daqui algum tempo quando estiver totalmente adaptado, o Google resolve descontinuar porque acha que o serviço não tem o número suficiente para mante-lo?

        Eu uso profissionalmente o Evernote por ser fantástico em uma série de coisas, que o Keep ainda não tem (e pode ter, justamente por ser bem novo). Porém, o medo deles descontinuarem um projeto desse é muito grande… não valeria a pena. Poderia usa-lo como brincadeira, quebra galho… mas, como profissional? Só quando voltar a confiar no Google…

        • José Luis Junior Segatto

          Com o Google não dá pra ser early adopter, pois corre-se o risco de virar beta tester de um produto morto. Porém o Google revolucionou o email (ok, nem foi tão grande coisa, mas enquanto miguelavam 5MB por ai, oferecer 1GB é revolucionário); revolucionou a busca; teve uma boa idéia com o Wave, mas faltou alguma coisa (emprego de diretor no Google pra quem conseguir entender o que aconteceu). Não dá pra apostar contra. Vai que eles revolucionam Note Service?
          Fechar minha conta no Evernote e migrar pro keep? Não hoje, mas no futuro não descarto a possibilidade de ser surpreendido.

          • Com certeza, o Google sempre traz bons produtos. Alguns revolucionários outros evolucionários… mas, essa onda de criar-fechar, acaba abalando a confiança em produtos novos.

            É claro que o projeto em si pode melhorar muito e até tomar conta do mercado, mas, desde o Reader, qualquer coisa que o Google criar, só vou fazer parte quando estiver seguro que foi um sucesso.

            Mais ou menos a mesma coisa com a Microsoft e seu Windows Phone. Só voltarei a investira na plataforma, quando tiver certeza que é um sucesso.

    • DanielBastos

      Apesar deu concordar de vc, conheço um monte de gente que está fazendo isso sem pensar.
      Google hoje em dia tb é meio estilo Apple. A marca pesa muito.

    • O Evernote é legal, mas acho muito pesado e lento para tarefas tão simples. Basicamente o que procuro é um bloco de notas na nuvem com clientes para as plataformas que uso e acho que o google keep vem bem a calhar.

  • Márcio Melo

    A Google está querendo dominar o mundo, mas a confiança em serviços é algo que ainda prezo bastante.

    Depois do anunciado fim do Google Reader, sinceramente, não tenho coragem de trocar o meu confiável Evernote que já me atende tão bem por mais uma “aventura” da Google, mais um serviço para usar, amar e depois eles cancelarem? Não obrigado.

    Isso é um desabafo em relação a Google, quanto ao post, está excelente. Muito bem escrito e explicado tudo nos conformes. Parabéns.

  • Keaton

    Isso é opensource? Cadê o source?

  • Nil Obermüller

    Tentei usar o Evernote e achei bacana mas havia função demais para mim, acabei desistindo e parti para o any.do que cabia como uma luva.
    Agora veio o Keep e brincando nele acabei gostando bastante e estou por hora usando os dois.

    Quanto ao Reader a mim não faz falta pois ele foi substituido pelo Current, tudo o que o
    Reader fazia o Current faz e no estilo flipboard então acho esta reclamação futil.

  • Leonardo Bruno Lima

    Eu entendo o Keep como uma aplicação de Notas, assim como o Evernote e OneNote. Essas outras features que muitos reclamam como alertas, organização de TODO´s, etc não vejo como papel dele, isso é coisa para Wunderlist entre outros. Eu uso Wunderlist para TODO´s e Evernote para notas e listas em geral.

  • Em todos os artigos que eu vi se falou sobre 3 coisas:
    Google Reader
    Google Notepad
    Evernote.

    Entretanto vocês estão esquecendo de alguns detalhes importantes: o Google Reader e o Google Notepad NUNCA foram direcionados para a plataforma móvel e esse é, obviamente, o foco do Keep. Daí vem um comentário sobre o próximo item da lista acima: Evernote. Uso o Evernote e adoro o aplicativo e suas funcionalidades, mas levanto 2 pontos em que o Keep pode se sair superior:

    1 – Velocidade de inicialização

    2 – “Paitrocinio”

    Convenhamos, o Evernote, por mais sensacional que seja, demora pra caramba pra abrir e criar uma nota. Tanto no iOS quanto no Android (digo por experiência, porque tenho ambos). Outro dia tentei abrir ele rápido pra anotar um número de protocolo e desisti.

    Nesse sentido o Keep tem uma vantagem GRANDE em cima do elefante: o danado abre, praticamente, de imediato, já pronto pra escrever. Pra um aplicativo que se destina a fazer anotações RÁPIDAS, ele leva essa.

    E sobre o “Paitrocinio”, bom, o Keep é do Google, e vocês querem apostar que ele virá como app padrão na próxima versão do Android? Muita gente comprará seu primeiro smartphone com Android e já terá o Keep instalado. Pra a maioria dos usos, pra quê instalar o Evernote?

    • José Luis Junior Segatto

      pra quê instalar o Evernote?
      Bom, umas 800 notas legadas é um bom motivo. e dado que instalar o Evernote deve ser mais simples que migrar as notas de um serviço para outro…

      • Filipe Aguiar

        Falei sobre pessoas que não usam aplicativos de notas em seus aparelhos.