Quando Sir Arthur Clarke inventou o iPad e os comentaristas de Internet

Arthur C Clarke Clarke shirtEm 1945 a revista Wireless World publicava um artigo sobre “relés extra-terrestres”, nome pomposo para estações de retransmissão de sinais de rádio em órbita geoestacionária. Esse artigo definia, incluindo a matemática, boa parte de tudo necessário para você assistir Sky hoje, se não estiver chovendo.

É seguro dizer que a sua antena está apontada para um satélite “parado” em relação à Terra, em um plano a 36.500km de altitude. É a chamada Órbita de Clarke, em homenagem ao criador do artigo, o escritor de ficção científica, físico e matemático Arthur C. Clarke.

Ele era famoso por suas “previsões”, como Internet e smartphones, mas algumas chegam a ser impressionantes em sua precisão. Veja estre trecho de 2001 – Uma Odisséia no Espaço, de 1968.

“Sem sair de sua poltrona, podia ocupar-se com várias coisas. Quando estivesse cansado de relatórios oficiais, memorandos e atas, ligaria o Newspad no circuito de informações da espaçonave e passaria os olhos pelas últimas notícias da Terra. Entraria em contato com cada um dos principais jornais eletrônicos. Sabia de cor o prefixo dos mais importantes e nem precisava consultar a lista fornecida para esse fim.

Ligando a unidade de memória do aparelho, veria a primeira página do jornal escolhido e anotaria os tópicos que lhe interessassem. Cada manchete possuía um código de dois  algarismos. Era só marcar o número desejado para que o pequeno retângulo do tamanho de um selo aumentasse até ocupar toda a tela, formando uma imagem nítida e fácil de ler. Quando terminasse a leitura, faria voltar à tela a página completa e selecionaria outro assunto para exame mais detalhado.

Floyd pensou consigo mesmo que talvez aquele aparelho, apesar da extraordinária tecnologia necessária ao seu funcionamento, não fosse ainda a última palavra na eterna busca do Homem, em seu desejo de comunicações mais perfeitas. Aqui estava ele, em pleno espaço, afastando-se da Terra a uma velocidade de milhares de quilômetros por hora e, no entanto, podia, em fração de segundo, ver as manchetes de qualquer jornal. (Pensando bem, os próprios jornais eram anacrônicos na era da eletrônica.) As notícias eram atualizadas de hora em hora. Ainda que alguém lesse apenas o texto em inglês, poderia passar a vida inteira sem outra ocupação senão ver a sempre renovada torrente de informações enviadas pelos satélites transmissores.

Era difícil imaginar que o sistema pudesse ser mais aperfeiçoado ou tornado mais prático. Porém mais cedo ou mais tarde, pensava Floyd, acabaria sendo substituído por algum novo aparelho, tão impossível de ser imaginado quanto teria sido o noticioso eletrônico para Caxton ou Gutemberg.”

Se você já acha que Clarke descreveu basicamente um tablet, prepare-se. No mesmo texto ele consegue descrever com precisão o atual estado da Internet:

“Outro pensamento vinha-lhe à mente ao ler as pequeninas manchetes eletrônicas. À medida que os meios de comunicação se tornavam cada vez mais extraordinários, seus conteúdos pareciam cada vez mais banais, escandalosas ou deprimentes.”

1968. Se fosse escrito ontem ainda seria atual. Clarke era um gênio. E um bruxo.

Relacionados: , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz e Calcinhas no Espaço.

Compartilhar
  • Às vezes eu fico a pensar quem tinha mais poderes de clarividência, se Clarke ou Asimov (sem esquecer de Ray Bradbury).

    • Cussuol

      Inclua Julio Verne nessa lista.

      • Julio Verne não conta, ele é hours concours. Mas eu mereço um mea culpa ao não mencionar Gene Roddenberry.

        • O Gene era um compilador, um dos consultores do Star Trek era ninguém menos que Isaac Asimov. E teve também uma reunião no qual Ira Levin (“As Mulheres de Stepford” ou “As Possuídas”) mandou um bambambam do estúdio literalmente à merda porque o cara gostava dos maias que queria incluí-los a qualquer custo no roteiro de um filme da série.

  • A mãe Diná tem que aprender muito com o Clarke.

    • E o mais legal é que esses caras escrevem, rotulando suas obras de “ficção” :D.

      • Bom, na época era ficção mesmo! 😉

        • Zilardo

          As vezes eu penso se muito do que temos hoje não veio da reverência que temos pelas ficções.

          • Com certeza é. TODA uma geração de astronautas americanos afirma categoricamente que foram obras como 2001 e Jornada nas Estrelas o que os inspirou, ainda crianças, à se dedicarem a carreira.

      • Zilardo

        Quando ler uma ficção preste atenção na formação do autor, se for criada por físicos, matemáticos, astrofísicos e outros cientistas, tem grande chance de virar realidade, pois ainda que sejam imaginações, são baseadas na lógica e no conhecimento científico.

  • Luiz Felipe

    Ainda estou esperando a singularidade.

  • Clarke é FODA! 😀

  • Bem é bom também colocar nesse mesmo prato Murray Leinster, que na década de 50 criou um conto chamado “uma lógica chamada joe” na qual ele prevê em detalhes o funcionamento da internet. Mas, Clarke, Asimov e Ray são mestres.

  • Zilardo

    Existem autores contemporâneos, com formação científica, criando ficção com tantas chances de acerto?

  • Eu tenho um sistema de classsificação próprio para livros, filmes e músicas. Este livro cai na classificação máxima ★★★★★ = “mudou minha vida”

  • Com os meios de comunicação se tornando mais rapidos a produção de notícias tem de ser mais rápida e a qualidade tende a cair pq tudo tem q ser noticiado. Muito simples e lógico.

  • Se ele tivesse patenteado a ideia antes….

  • E se ele tivesse patenteado todas as ideias dele naquela epoca?

    • Digamos que a tecnologia não teria se desenvolvido. A guerra de patentes retardaria a velocidade da inovação de tal forma que as novidades seriam apresentadas apenas 1 vez por ano na época do Natal.

  • André Maringolo

    Certeza que todos os envolvidos na criação das tecnologias atuais se juntaram antes e leram este “manual” da modernidade… só pode ter sido isso kkk! E digo mais, se eu fosse o Mr Clarke, acusaria a Apple, o G1 e o R7 de plágio!!

  • Barbudolda

    O que ninguém leva em consideração e que esses caras inspiraram e inspiram os cientistas/engenheiros de hj a tornar realidade o que eles imaginariam!! Dai a precisão de acertos!! Quem hj não gostaria de inventar o Holodeck ?? Ai claro Gene previu a invenção hahahah

  • Eu diria que todos os autores de ficção citados aqui os comentários são gênios, VISIONÁRIOS! Claro que muito do que temos hoje só existe porque muita gente se inspirou nas obras destes autores para tornar isso realidade! Mas se não fossem as idéias e visões destes gênios, quem sabe o que teríamos hoje?

  • Pingback: Informática – Quando Sir Arthur Clarke inventou o iPad e os comentaristas de … – Meio Bit()

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Walmart, Cupom de desconto Ricardo Eletro, Cupom de desconto Extra, Cupom de desconto Adidas, Cupom de desconto Submarino, Cupom de desconto Americanas, Cupom de desconto Casas Bahia