Mobile
Mobile
Digital Drops Blog de Brinquedo

Por mais legal que possa vir a ser, o suposto iWatch ainda soa como o futuro visto do passado

Por em 19 de março de 2013
emAcessórios Artigo Computação móvel Hardware Mercado Mobile Opinião relacionados         
Mais textos de:

Site | Twitter
  • http://www.meadiciona.com/charles_anjos Charles Albert

    desde que eu comprei meu primeiro celular em 2003 (nem era smartphone, era um nokia 3310, veja bem) eu nunca mais botei um relógio no pulso.

    • http://nada-aqui.posterous.com Marcio Neves Machado

      Não uso relógio de pulso desde julho de 2001, quando comprei meu primeiro celular (Gradiente/Nokia tijolão, CDMA, o mais básico que havia na época :D)

    • http://twitter.com/Darkus Darkus

      É por esse motivo que quando uso algum relógio ele é algum digital de camelô ou DX.com

  • http://twitter.com/Filipe_Aguiar Filipe Aguiar

    Discordo REDONDAMENTE de você: o Phillipe Gaston também é um personagem sensacional :P

  • http://twitter.com/Filipe_Aguiar Filipe Aguiar

    Sim, os usuários ESTÃO interessados e VÃO comprar a ideia, vide o Pebble, projeto do Kickstarter que conseguiu milhões em investimento e já estão entregando o produto finalizado. Eu, inclusive, comprei um.

    • Well Dias

      Pebble, é bonitinho. Mas não passa de um relógio com display customizável hypster que custa 150 dólares. É inútil do ponto de vista de usabilidade. É só ver as propostas do que se pode fazer com ele.
      Ser um controle remoto para celular? Isso é tão interessante quanto um controle remoto para notebook e olha que um celular é muito mais móvel que um notebook.
      Ser um ciclocomputador? Não, isto é apenas um display para as informações que estão no celular. Em uma área fechada, ou com muitos prédios, ou com baixo sinal da operadora e isto se torna inútil. Por 50 reais compro um ciclocomputador de verdade com bateria que dura mais de um ano, prático e preciso.
      Ser uma central de notificações? Porque diabos vou ver minhas notificações pelo relógio se estou com o celular no bolso. Sem contar que em 80% dos casos precisarei responder a notificação, e então precisarei pegar o celular.

      Em resumo, é legal e bonitinho para ser um projeto kickstarter.

      • OverlordBR

        Tu poderias pensar por outra ótica, por exemplo: porque diabos eu vou tirar o trambolhão do celular do bolso e ainda apertar um botão para ligar novamente a tela se posso simplesmente olhar no pulso?

        Se isto não é um básico da usabilidade… ;)

        Do jeito que a tela dos celulares está aumentando, um quadradinho do tamanho do ipod nano de 6ª geração seria interessante.

        Eu amaldiçoei a Apple quando o formato do ipod nano de 6ª geração foi abandonado… quer dizer, abandonado não: foi só uma estratégia de mercado.

        O primeiro iWatch será bem parecido com o velho nano.

        • Well Dias

          E quando a notificação for um SMS, facebook, whatsapp, twitter, gtalk, um skype, uma chamada, ou uma das milhares de outras notificações que podem aparecer e que fatalmente a pessoa precisa pegar o celular para responder?
          Então estou eu lá, celular no bolso com bluetooth ligado e um relógio no pulso com o bluetooth ligado. Meu relógio apita (ou vibra), percebo que recebi uma notificação. Mas o meu celular também vibrou (ou tocou). Então agora tenho absoluta certeza que recebi uma notificação. Olho no relógio e vejo que é uma do facebook. O que todo mundo fará? Tirar do bolso e pressionar o botão para responder. Isto é usável? Ainda tem mais. O pebble tem 7 dias (na boa, todo mundo sabe que as fabricantes mentem nisso) de autonomia de bateria. Uma vez por semana ele terá que recarregado. Não dou um mês até começar a ser um saco ter que ficar carregando o tempo todo mais um gadget.

          • OverlordBR

            Aí que está teu erro: achar que o relógio tem de ter e fazer tudo como o celular. ;)
            A não ser que sejas um viciado em Facebook ou Twitter, é bem provável que não precisarás responder às mensagens recebidas… pelo menos, não imediatamente.
            No meu caso, ler a mensagem de uma forma mais rápida e ágil já está mais que suficiente. Quem sabe, informações sobre o tempo, bolsa de valores, monitoração cardíaca (para quem pratica esportes ou é hipocondríaco), música.
            Coisas simples e básicas. Nada de vídeo em Ultra Motherfucking Full HD ou câmera com “trocentos Megapíxel”.
            Quem já usa relógio, ganhará um “upgrade” tecnológico.
            Quem não usa mais relógio pois tem celular… iria comprar este iWatch? ;)

            Para coisas simples, a bateria seria suficiente.
            Mas, se não for, existem tecnologias que podem auxiliar na questão da bateria: incorporação de células fotovoltaicas na touchscreen (dá uma lida sobre uma empresa francesa chamada Wysips), recarga da bateria via movimento corporal (relógios de pulso comuns já fazem isto há um bom tempo)… e, já que a Apple está querendo entrar na onda das outras: indução magnética.
            Não esquece que é um relógio e não um celular!

            Então, a recarga da bateria não seria demorada. :)

      • http://twitter.com/Filipe_Aguiar Filipe Aguiar

        Você esquece que a equipe do Pebble está desenvolvendo um SDK pra o desenvolvimento de Apps. Sim, do jeito que está agora, ele é “apenas” um controle remoto do celular e uma central de notificações (que acho bastante útil).

        A integração com aplicativos do smartphone como o Runkeeper (já prometida) não me parece supérflua. Eu uso o RK bastante e gostaria SIM de não precisar tirar o celular do bolso enquanto corro, pra chegar minha velocidade, a distância que percorri. Outras propostas de aplicativos semelhantes pode dar direções direto da tela do relógio. Pra quem está andando de bicicleta é ótimo. E pra quem está andando a pé também. Ninguém quer andar olhando pra o celular no meio da rua, nem no ônibus.

        Basta ir no fórum do Pebble e ver que há BASTANTE developers interessados em fazer coisas MUITO interessantes pra ele, e que só estão esperando o SDK pra começar.

        Além dos próprios aplicativos que usem dos sensores do relógio pra gerar informação: Há a possibilidade de se criar um aplicativo para monitoramento do ciclo de sono, de acordo com o acelerômetro do Pebble.

        Além de aplicativos simples, com o intuito de agilizar a vida do usuário. Existe uma proposta para respostas padrão para mensagens: Tá no trânsito, em reunião ou em outra situação em que não pode usar o celular? Escolha a mensagem “Estou ocupado, falo com você depois” ou outra qualquer e envie pelo relógio. Outra sugestão dada por um usuário: marcação de pontos em uma partida de tênis. Controlar a câmera pelo Pebble, pra tirar fotos em grupo. Controlar apresentações em power point, Só pra citar algumas das coisas que dá pra se fazer com um dispositivo desse tipo.

        Se você acha desperdício pagar U$ 150,00 por isso, tudo bem. Mas o Pebble não é só um “controle remoto” ou uma “central de notificação”. É um produto em desenvolvimento que oferece toda uma gama de possibilidades agregadas. Eu comprei por isso: pelas possibilidades que ele apresenta. E como desenvolvedor e curioso, quem sabe eu mesmo não possa inventar um ou dois usos criativos para ele?

        P.S. Sobre a bateria: no reddit do Pebble os usuários estão confirmando o tempo de duração da bateria entre 5 e sete dias. Pra mim é o bastante.

  • Gharcia

    E, no mais, a LG tentou emplacar algo neste sentido em, vajamos… 2009?
    http://www.lge.com/br/celulares/lg-GD910-convencional

    Eu tive um em mão e pude testar. Era legal como novidade mas existe uma coisa q não muda: precisamos falar ao celular as vezes.
    Ou seja, o esquema vinha com um phone bluetooth q funcionava bem. Mas não me vejo carregando isto pra cima e baixo. Muito menos deixando ele na orelha o dia todo.
    E muito menos com o pulso colado na cara.

  • http://www.facebook.com/arsgon Arthur Gonçalves

    Para mim seria pouco útil e bem inseguro (ao menos no Brasil) um relógio assim. Acredito que certas coisas deveriam ser mantidas em sua simplicidade, cumprindo a função dedicada à qual originalmente foram propostas.

    • Eduardo Tenório

      Exato. Garfo e faca não mudaram em trezentos (?) anos.
      Ok, adicionaram mais dentes ao garfo…

      • http://twitter.com/Darkus Darkus

        Esqueceu dos sporf uma mistura de garfo e colher (útil para camping ou sobrevivência na selva).

  • AndersonCavalcanti

    A impressão que tenho é que, agora que temos um computador completo no bolso (a.k.a. Smartphone), com GPS, etc o que falta mesmo é um celular de pulso basicão, ou que os relógios passem a ter funções de SMS, chamadas e, no máximo, localizador GPS. Um produto para idosos, crianças ou pra quem não quer por alguma razão carregar um celular/smartphone. Algo como ir a praia. Já existe algo assim, mas é tosco, caro e cobra assinatura.

  • Ursinhomalvado

    Mesmo antes de eu ter meu primeiro telefone celular eu já havia desistido dos relógios. Eu sempre batia o relógio no batente da porta quando passava. Coisa para dar prejuízo, certamente nunca vou comprar um bagulho caro pra pendurar no pulso (mas vai ter gente que vai).

  • Zilardo

    Quando sair esse iWatch vou compra um Casio F91W

  • André Kittler

    Novamente, a Apple vai fazer sucesso onde a MS falhou mizeravelmente muito tempo atras – http://www.slashgear.com/microsoft-drop-spot-watch-project-2411322/
    E isso vai vender. Não como um iPad, mas vende muito. É Apple, não importa o que eles criem. Pessoalmente concordo com o artigo, acho desnecessário e não me vejo com um.

  • http://www.facebook.com/fermorimoto Fernando Morimoto

    Acredito que as possibilidades são enormes.

    - Olhar o GPS pelo pulso (muito vantajoso pra mim que só ando de moto);

    - Dar aquela bisbilhotada nas notificações das redes sociais;

    - Checar rapidamente qual foi a sms recebida, ligação, etc;

    - Escolher e mudar as músicas MP3;

    - Fotografar, filmar, gravar áudio;

    - Se tiver um medidor de pulso, quando você tiver um ataque cardíaco automaticamente chamar uma ambulância :P

    • Mario Neis

      ou chamar a ambulancia quando tu batar de moto por estar vendo quantos likes o ultimo post do face ganhou ahuahuha, essa parte das redes sociais acho que poderia ser tirada fora o resto da tua lista é bem interessante, digo retirar pq o usuário médio ja se embanana todo tendo que dirigir e falando no celular, imagine se tiver que olhar pro pulso….

    • OverlordBR

      Se acoplassem um monitor cardíaco nesta bagaça, seria a glória.

      De esportistas aos hipocondríacos, o público alvo seria bem diverso.

    • Keaton

      Um detector de acidente de moto seria ótimo também, já mandava a localização direto para a turma do resgate. (Problema seria saber se a turma brasileira saberia usar tais informações)

      • http://twitter.com/felipeantunes Felipe Antunes

        Caracas, pra você todo brasileiro é burro né. Patético

        • Keaton

          Não, só os metidos a esperto que interpretam errado o que eu digo… né, espertalhão?

          Acidentes graves acontecem com motoqueiros/motoclistas. Os piores são os que acontecem de madrugada, quando geralmente ninguém nota e o cara acaba morrendo por falta de socorro. (Alias, não só com motoqueiro/motociclista, barbeiros tem aos monte.)

          Já o problema do sistema seria saber como interpretar as informações e se a turma estaria preparada para usar as informações do acidente de forma eficaz. (Claro, podia enviar o endereço “correto”, mas também poderia ser os valores do GPS. – que eu acho mais válido.)

    • http://twitter.com/felipeantunes Felipe Antunes

      Cair da moto enquanto se distrai olhando
      o GPS…..

    • http://www.facebook.com/fermorimoto Fernando Morimoto

      Andar de moto é ficar atento a vários aspectos do trânsito. Tem semáforo, placas, carros, outras motos, curvas, pedestres, animais, lixo, reflexos, barbeiros, gostosas, etc. Acho que uma olhadela rápida no relógio pra saber que rua tenho que virar eu consigo fazer sem cair (mas é uma possibilidade, eu confesso).

      E até que esse negócio de se acidentar na estrada parece legal e futurista, imagine cair arrastando até no meio do mato e ficar inconsciente.

  • http://www.facebook.com/people/Marcelo-Eiras/1567301419 Marcelo Eiras

    Que isso ?! O Matthew Broderick tambem fez o War Games, um dos filmes que fez muita gente querer ter um computador e é um clássico.

  • http://www.facebook.com/people/Marcelo-Eiras/1567301419 Marcelo Eiras

    Discordo! O David Lightman é um personagem sensacional de um filme clássico e obrigatório, o War Games.

  • http://twitter.com/Eddie_soul True Story

    Um bom relógio seria um que tivesse um taser.

    • Eduardo Tenório

      Seria massa quando disparasse acidentalmente e o usuário começasse a ter uma ataque epiléptico.

  • Zilardo

    Legal!
    Este post, com ajuda de valorosos e experientes comentarista, serviu para montar minha a lista de filmes que verei com meu filho adolescente, neste fim de semana. Maratona Broderick: Curtindo a Vida Adoidado, Feitiço de Áquila e Jogos de Guerra.

    Não necessariamente nessa ordem. E não insista, não colocarei Inspetor Bugiganga na lista. Nem Godzilla.

    Algum outro filme que vale a pena?

  • Cristiano Santos

    No meu caso o relógio de punho tem uma única função: estética. Um de ponteiro combina bem com um terno bacana :)

  • http://www.facebook.com/jorge.tambura Jorge Tambura

    Eu acho que vcs estão no mesmo erro dos fabricantes iniciais: um celular no pulso não é melhor que um celular no bolso. Tela menor, bateria menor, menos recursos, mais caro. O pior, na minha visão, é não ser à prova d’água. Não que eu quisesse entrar numa piscina com um celular, mas e para lavar a mão? Os caras vão mudar o conceito, ou seja, completar o celular. Exemplo: o falado NFC, é melhor sacar um celular para passar na catraca do metrô ou usar o seu relógio? NFC do relógio conectado ao celular. Reconhecimento de impressão digital (ao invés de digitar senhas nos sites) no botão Home do celular ou no relógio? O Pebble tem a vantagem de usar a tela e-ink, que usa bem menos energia. É por aí, o ideal é algo em torno de uma semana para precisar carregar, que possa molhar e que não queiram que seja um celular completo/big ben no pulso.

  • http://www.meadiciona.com/charles_anjos Charles Albert

    Daí colocam um medidor de umidade e salinidade da pele e quando vc tivesse suando ele perguntava “tá nervosa fia?”

  • http://mygpl.us/peksalvo Pek

    eu acho que um headset bluetooth inteligente pode ser muito mais útil do que um smartwatch, além de mais prático:
    http://www.sonymobile.com/gb/products/accessories/smart-wireless-headset-pro/

  • Pingback: Patente da Microsoft sugere comunicação de dispositivos usando o corpo humano como intermediário « Meio Bit

  • Pingback: Apple entra com pedido de registro da marca iWatch no Japão « Meio Bit

  • Pingback: Meio Bit

  • http://www.crashcomputer.tk/ Gradius

    Desde que eu comprei um celular decente (PT550 não conta, e eu tive um tijolar desses) eu abandonei completamente relógio de pulso. Isso foi mais ou menos em 1998 ou 1999, não lembro ao certo. Mas eu sinto saudades apenas de UM dos relógios que eu tive… um Citzen Windsurf D060. Esse eu até penso em comprar um, mas o precinho que pedem, me faz desistir da vontade rapidinho.

  • Pingback: Apple estaria desenvolvendo dois iPhones curvos de telas maiores