Digital Drops Blog de Brinquedo

Celulares e computadores estão nos deixando mais burros

Por em 20 de julho de 2007 - 17 Comentários
emCelular Internet
Mais textos de:

  • jackstone

    eu sei que nao sou nenhum grande engenheiro da computacao, mas um calculo rapido isso me da +- 113 terabytes de memoria

    agora tente se lembrar de todas as musicas q vc tem guardado na sua cabeca, todas as imagens e filmes, ligacoes q vc recebeu, receitas que decorou, isso ai deve da para encher bem um hd mental!

    talvez a solucao seja implementar um divx e um mp3 mental e sobrara mais espaco para guardar o seu serial de windows original, e as datas de nascimento de todos seus amigos/as

  • http://juniorcba,wordpress.com juniorcba

    Pois é, daqui a uns tempos estamos comprimindo informacoes na nossa cabeça. a.k.a. BrainRAR…
    @@

  • http://tecnoevidencia.blogspot.com rgadelha

    Seria legal fazer backup das memorias do seu cérebro também, para isso abra sua shell cerebral e dê o comando:

    tar -cvzf /dev/brain/hipocampo0 -T /home/seunome/backup-memoria.tar.gz

    Pronto, backup feito.

    • http://magno-naval.blogspot.com magno

      isso seria legal para aqueles com problemas em armazenar memória recente, esquecer um determinado trauma(del -v xxx-com-a-baranga.dat), ver um vídeo dos melhores momentos da sua vida, etc.

  • adriano77

    Não concordo que estamos ficando mais burros. Apenas mudamos as coisas a se decorar. Ao invés de decorarmos números de telefone, decoramos senhas (eu tenho uma pra cada e-mail, login do meu micro na empresa, da minha casa, etc, etc, etc). Esqueço sim os telefones mas as senhas estão sempre em ordem. Além disso, como programador, decoro comandos, vírgulas, sinais de mais, maior, menos e que ao meu ver são muito mais complexos.

  • Rodz

    Não só senhas como usuários diferentes… além de vários IPs de servidores (pra quem é da área), versões de software, etc…

    Também discordo que estamos ficando mais burros.. não se esqueça a enxurrada brutal de informações que temos acesso diariamente… antigamente isso não era assim… era via jornal, rádio, e meia dúzia de canais de TV basicamente. Nada de 1.000.000 de canais a Cabo ou Internet. Por isso, parece que “guardamos menos”… mas na verdade guardamos apenas aquilo que nos interessa mais (dado o volume diário de informaçõs que recebemos).

  • OPrimo

    Achei o título um tanto quanto sensacionalista. Mesmo porque você mesmo contradiz o título no último parágrafo do post.

    Seria mesmo burrice usar um computador pra “lembrar” coisas pra você? É burrice eu transferir meus compromissos pro Google Calendar, meus contatos pro GMail, meus aniversários pro Orkut e, assim, desafogar meu cérebro pra que ele tenha mais capacidade para processar coisas muito mais nobres e úteis do que aniversário de sogra?

    http://gebh.net/oprimo

  • http://juniorcba,wordpress.com juniorcba

    Isso daí geralmente é chamado de “ironia”…

  • Dezao

    Acho que não seria tanto o armazenamento, já que se não utilizássemos o computador provavelmente usuríamos um pedaço qualquer de papel.

    Estamos mesmo processando menos, nem contar precisamos mais. Sempre procuramos a forma mais automática possível de se fazer algo, quantos menos botões melhor.

    Mas a facilidade de acesso a informação acaba nos deixando sobre carregados também. As vezes parece que minha cabeça vai explodir mas não consigo ficar um dia uma informação fresca.

  • http://www.oitobits.net viniciusfs

    Eu não tenho dificuldades para decorar algumas coisas, eu simplesmente não quero decorar. Pra que decorar o celular de todas as pessoas que trabalham comigo se carrego no meu celular o telefone de todas elas? Prefiro selecionar e decorar o que realmente é preciso.

  • ColdFusion

    Pronto, usar o computador está na mesma categoria de fumar maconha, você vicía e aínda perde a memória!!

    “…Buffalo soldier, dreadlock rasta…” esqueci o resto!

    Apenas mais um blog!–> TAKEUSPA!!!

  • http://www.highlanderbr.com Highlander

    No geral, há uma confusão entre “memória” e “inteligência”, que são 2 coisas bem diferentes.

    Me lembro ainda do meu professor (russo!) de física do segundo grau, que colocava todas as fórmulas na lousa no dia da prova. Ele dizia que era perda de tempo ficarmos decorando as fórmulas ao invés de entendê-las, afinal você podia consultar um livro no dia que precisasse dela, mas não podia consultar o livro para saber utilizar.

    É bem verdada isso, pois lembro de muito pouca coisa que precisei decorar no colégio, mas lembro de muita coisa que foi “explicada”.

    Quanto à capacidade de armazeamento do cérebro, isso não é problema, o problema é “indexar” as informações 😀

    Crônicas Imortais

    • http://pietra@hotmail.com Anônimo

      E ele copiava do livro ou escrevia de memória?

      http://www.contraditorium.com

      • http://magno-naval.blogspot.com magno

        Ele devia saber de memória mesmo, todas as fórmulas de física do segundo grau são facilmente deduzíveis se você sabe o conteúdo. Eu me lembro uma de estar explicando pro meu primo uma matéria e, na falta da equação, deduzi ela ali mesmo, “from thin air”.

      • http://www.acranias.com catzurrul

        cara.. vc folga!

  • http://juniorcba,wordpress.com juniorcba

    Born in africa, brought to america!

    O foda que indexador de buscas comem um processamento enorme… kkkkk (ok nem tanto assim, mas foi so uma piada..)

  • enioluiz

    Enio Luiz Vedovello
    Quando eu era moleque, fiquei admirado em saber que o Neil Armstrong costumava “brincar” de fazer cálculos mentais enquanto outras pessoas faziam o mesmo cálculo em calculadoras eletrônicas – invariavelmente demorando mais que ele. Alguns anos depois, tive a oportunidade de assistir uma competição de soroban, cada prova consistindo na soma de uma série de números de 6 dígitos, que ia aumentando conforme os concorrentes iam sendo eliminados. Eram poucos os concorrentes que não tinham os resultados 1 ou 2 segundos após os números serem ditos – falados rapidamente.
    Tudo isto me estimulou a procurar fazer o máximo possível de cálculos sem utilizar calculadora, e não é preciso muito treino para somarmos mais rápido do que a grande maioria das pessoas digita.
    Quanto à capacidade de armazenamento do cérebro, até onde se sabe ele é relacional. Ou seja, ao contrário do seu HD, o armazenamento é muito mais otimizado. Acho que é uma questão de estágio de desenvolvimento do hardware. Pena que no caso da maioria das pessoas, seja utilizar uma máquina RISC somente para executar o DOSEdit.