Evento propõe cessar fogo virtual por vítimas de massacre nos EUA

Você provavelmente está sabendo da tragédia ocorrida na última sexta-feira em Sandy Hook, onde um rapaz de 20 anos invadiu uma escola e usando duas pistolas e um fuzil AR-15 matou seis adultos e vinte crianças. O ato de extrema covardia voltou a atenção do mundo para os Estados Unidos, fez o presidente Barack Obama realizar discursos emocionados e novamente levantou a questão da utilização de armas no país

Diante de tanta barbárie, as pessoas seguem tentando entender o que leva alguém a tomar tal atitude e como sempre acontece, os games foram apontados por alguns como uma das motivações, com veículos citando até mesmo a paixão de Adam Lanza pela série Dynasty Warriors, embora eu não tenha visto nenhum relato dele ter utilizado lanças e espadas para matar aquelas pessoas.

Bom, esteja a culpa nos games ou não, um grupo de jogadores resolveu iniciar uma campanha que visa homenagear os que foram mortos quando aquele desequilibrado resolveu destruir a vida de muitas famílias e propuseram o Dia para um Cessar Fogo nos Jogos de Tiro Online. A ideia dos organizadores é que em respeito às vítimas, no dia 21 de dezembro todos nós deixemos de entrar nos servidores que abrigam partidas multiplayer desses jogos.

Criado por Antwand Pearman, editor do site GamerFitNation, o evento não tenta fazer qualquer tipo de ligação entre os eventos acontecidos naquela escola e os jogos violentos, apenas mostrar respeito àquelas pessoas e segundo ele, não há uma maneira melhor dos gamers fazerem isso do que abaixarem suas armas virtuais e darem uma declaração de paz.

Embora muitos gostem de chamar iniciativas como essas de sofátivismo, no fundo acho que as vítimas – não só deste caso, mas de qualquer ato violento – mereçam todo tipo de homenagem e principalmente, atitudes que efetivamente tornem o mundo em que vivemos um lugar melhor.

Particularmente não acredito que a adesão à campanha será grande, mas acho que seria muito legal ver algumas notícias depois dizendo que entre 21 e 22 de dezembro o número de jogadores em partidas online caiu pela metade, o que mostraria que as pessoas se importam com o que aconteceu naquele fatídico dia 14.

dori_ceas_18.12.12

[via Polygon]

Relacionados: , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • http://twitter.com/hasmodai Eduardo Aguiar

    Ao inves de parar de atirar online deviam era parar de atirar nas escolas. Não vou deixar nenhum maluco atrapalhar minhas partidas de BF3.

  • Carlos Magno GA

    Sem querer ser chato, mas sacrifício mesmo é fazer em um sábado ou domingo de manhã. É como apagar a luz na “hora do planeta”, mas deixar o ar condicionado e a internet bombando.

  • Renato Lellis

    A iniciativa, além de inócua, pode ter o efeito contrário do desejado. Já que é patrocinada por um grupo ligado a games, pode muito bem ser interpretada como um mea culpa e alimentar os tolos que acham que os games provocam a violência.

  • Unfear

    Algumas pessoas podem interpretar como “foi culpa dos games e vamos ficar de castigo para repensar nosso atos”, se você pensa assim é um imbeciloide, a campanha e uma ação contra a violência, querendo ou não FPS são violentos.

    Sempre quis entrar numa partida publica do CoD e convencer as pessoas de fazer uma brincadeira, ir todo mundo para o meio do mapa e não ficar se matando, pelo menos em uma partida ficar curtindo um bate-papo só para criar uma lembrança bacana, mas sempre tem um dedo-frouxo hehe

  • paulokdvc

    O que eu mais vejo hoje, são pessoas e entidades tentarem justificar algo. Quem já não conheceu uma pessoa bem estruturada (familia e dinheiro) e ainda sim ser drogada, viciada, alcólatra ou um marginal (roubando e matando)!?

    Como vi nos comentários, acredito que uma atitude dessas, como parar a jogatina, por mais nobre que seja, acabaria acusando os games e gamers mais ainda do que são hoje, ou seja, nos acusando de possiveis assassinos e serials killers a espreita de uma oportunidade.

  • http://alexkoti.com Alex Koti

    Eu sinceramente acharia melhor um dia de boicote às lojas de armas reais, mas a adoção por lá seria nula 😀