Esquadrão A – A de Alá

Tom Clancy diz que a guerra é o ambiente mais darwinista que existe. É verdade, e de um jeito ou de outro ajudam a avançar a ciência e a tecnologia. Mesmo a Guerra Fria foi ótima para o programa espacial, mas o melhor de tudo é que esse avanço não ocorre somente no nível das nações, mas até dos indivíduos.

No Iraque, depois da queda de Saddam surgiram os IEDs, uma sigla chique para bomba caseira. Algumas detonadas por fios, outras por celulares, mas todas dando trabalho a uma força inimiga que não estava acostumada aquele tipo de combate.

Hamas, Hezbollah e outras organizações montam fábricas improvisadas de foguetes e UAVs, o que chega a ser irônico. Uma organização terrorista cercada consegue manter mais UAVs no ar do que o Brasil.

Na Líbia os rebeldes botaram seu conhecimento de engenharia e mecânica para trabalhar, e se saíram com armas incríveis, adaptadas até de aviões derrubados.

Por causa de George Lucas, aliás, o termo “rebeldes” ganha uma associação positiva, e convenhamos todo mundo adora um vira-lata, a imagem romântica dos fracos se unindo e derrotando o tirano sempre funciona. Bolas, Rambo derrubava helicóptero com arco-e-flecha.

Quando isso tudo se junto ao interesse geek por tecnologia, É show. É o caso do SHAM II, esse blindado do vídeo. Construído por um engenheiro rebelde tem uma blindagem de 1 polegada, capaz de resistir a boa parte do armamento leve do Império Governo Sírio, e uma metralhadora de controle remoto.

O motorista utiliza câmeras para se localizar, e se for preciso atacar o inimigo, a arma é movida com um gamepad de PS2 (se não me engano). Não me parece que ele marque pontuação. A parte ruim é que não rola respawn.

Não é o mais eficiente? Não. Pode ser colocado fora de combate com um RPG? Sim, mas é bem melhor que o SHAM I, e o SHAM III será melhor ainda. Quanto mais tempo os conflitos duram mais rápido as invenções aparecem, pois se a necessidade é a mãe da invenção, a sobrevivência é a avó de todas.

De resto, aposto que você também imaginou uma montagem mostrando a construção desse tanque ao som do tema do Esquadrão Classe A…

Fonte? LWJ

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz e Calcinhas no Espaço.

Compartilhar
  • Nesse momento, em algum morro carioca ou favela paulista, algum traficante tem uma ideia…

    • Com certeza já estão até procurando no “Do It Yourself” (DIY) ou no Instructables.

    • Em algum lugar de alguma favela alguem procurando algo como “como transformar seu uninho 1.0 num blindado de guerra”. MEDO!

      • Marcelo Mosczynski

        Em SP não é uninho é A3 Golf ou Stillo…

    • Felipe Lima ®

      pq favela paulista?

      ladrão aqui em SP não enfrenta a polícia.. não faz parte do “acordo”

      • Eu ainda lembro daqueles ataques do PCC há uns anos atrás, perto do dia das mães. Postos da PM metralhados, granadas jogadas em delegacias, etc e tal.

        • Marcelo Mosczynski

          Até hoje algumas “bases” da polícia ainda mantêm a rua isolada..

  • Me lembra os carros do time GLA do command conquer generals!

  • (“Bolas, Rambo derrubava helicóptero com arco-e-flecha.”, cardoso.C.)
    No primeiro filme ele derruba com uma pedra. É eu também duvidei até chegar nessa parte do filme.

  • Hollander

    Já dá para fazer uma parceria militar de transferência tecnológica com o Iraque que já desenvolve helicópteros caseiros.

    http://www.aereo.jor.br/2012/12/04/iraquiano-constroi-helicoptero-caseiro-para-proteger-seu-pais/

    Só falta a marinha… No caso, procurar os colombianos que possuem tecnologia de submarinos.

  • mauodias

    Comentário bobinho, mas acho que o controle é de PS1. Nunca tive nem PS1 nem PS2, mas, se não me engano, o controle do PS2 tinha direcionais analógicos. Essa imagem mostra o controle com mais nitidez: http://www.yourmiddleeast.com/media/news/images/2012/photo_1355084430686-1-0.jpg

    • Felipe Lima ®

      por ser numerado (1,2,3,4), tá mais com a cara de algum gamepad generico USB pra PC…

      • mauodias

        É, na verdade tá muito com cara de gamepad genérico.

        • Sim, é um gamepad genérico para PC, construído com base no controle original do PSOne.

  • BroncoBom

    Dizer que a guerra produz avanços tecnológicos é a mesma coisa que dizer que o câncer produz avanços para o organismo infectado.

    • Para o organismo infectado, não, mas para a ciência e para a medicina. Assim como a guerra não produz avanços para os cidadãos que nela morrem, mas para a tecnologia que suas nações aplicam nela.

    • Edmilson_Junior

      Dizer isso usando a internet é no mínimo irônico.

  • Felipe Lima ®

    mais “facil” adaptar um fusquinha com uma metranca em cima!!! 😀

    http://cdn.jalopnik.com.br/wp-content/uploads/2012/07/beetle-tank.jpg“>

  • Felipe Lima ®

    e se for preciso atacar o inimigo, a arma é movida com um gamepad de PS2 (se não me engano).

    Eu acho que é algum gamepad USB pra PC mesmo, por causa da numeracao de 1 a 4 dos botões. Se fosse o PS1 ou PS2 teria o desenho de triangulo, circulo, x e quadrado!

  • “De resto, aposto que você também imaginou uma montagem mostrando a construção desse tanque ao som do tema do Esquadrão Classe A…”

    Pior que lembrei. Até a fala da dona do filme novo: São os melhores e se especializam no absurdo!

  • José Luis Junior Segatto

    “Uma organização terrorista cercada consegue manter mais UAVs no ar do que o Brasil”
    Não por falta de tecnologia, mas por falta de interesse de quem paga a conta, que provavelmente alega falta de necessidade (e eu não duvido disso).
    http://www.uav.com.br/
    http://www.agx.com.br

  • lordtux

    Até esse tanque ai deve ser melhor do que os do Brasil.