Os melhores de 2012

dori_mja_03.12.12

Quem acompanha o Meio Bit Games há algum tempo sabe que em dezembro sempre realizamos uma votação para eleger os melhores jogos do ano. O problema é que esta sistema estava fazendo com que muitas vezes o vencedor fosse aquele mais popular e não necessariamente o melhor, além de gera muitas reclamações sobre o game favorito de algumas pessoas não estarem disponíveis para votar.

Após conversar com o pessoal do blog e pensar um pouco sobre como tornar a premiação mais interessante para o leitor, cheguei à conclusão de que o melhor seria elaborar uma lista própria, mas como não joguei todos os principais lançamentos do ano, quero deixar claro que Os melhores de 2012 do MBG é uma opinião bastante pessoal, abordando apenas os títulos a que tive acesso e que me agradaram, e quando o último mês de 2013 chegar, talvez as categorias citadas naquela lista nem seja as mesma que mencionarei aqui.

Desta forma acredito que a seleção se tornará mais útil a você leitor, podendo até servir para lhe tirar uma eventual dúvida sobre adquirir ou não queira um determinado jogo e claro, o convido a deixar um comentário sobre o que acha dos escolhidos e/ou deixar sua lista com os games que mais gostou neste ano.

dori_mja_03.12.12-2

A tarefa da Telltale não era fácil, transformar uma das franquia mais adoradas da atualidade em um adventure, gênero que nunca foi conhecido por ter um forte apelo às massas. Mesmo assim, quando o estúdio lançou o primeiro capítulo do The Walking Dead, ficou evidente que estávamos diante de uma joia rara capaz de nos oferecer gráficos belíssimos, muito suspense e uma história cativante.

Há de se dizer ainda que grande parte do brilhantismo do jogo está na maneira como cada decisão a ser tomada nos coloca numa inquietante encruzilhada, invariavelmente sem que uma das escolhas seja a correta e nos fazendo ter que conviver depois com sacrifícios que não gostaríamos de ser os responsáveis.

dori_mja_03.12.12-3

Sleeping Dogs é um jogo cheio de qualidades. Apesar de sua batida história sobre um policial disfarçado, seu desenvolvimento é muito interessante, mostrando os conflitos psicológicos que o protagonista encara.  Sua jogabilidade também merece destaque, especialmente em se tratando dos combate corpo-a-corpo, que nos lembra inclusive dos tempos áureos dos beat ‘em ups, porém, não há como ignorar a bela Hong Kong recriada pela equipe da United Front Games.

Passear pelas ruas da cidade é uma experiência extremamente gratificante, mesmo quando estamos embaixo de um sujo viaduto ou nos esquivando pelas feiras do lugar, cheias de barraquinhas de comida, produtos eletrônicos e CDs piratas. No entanto, há ainda pontos mais bonitos, como a costa, templos e o centro, cheios de prédios futuristas, ou seja, se tem uma coisa que não falta em Sleeping Dogs é lugares a serem conhecidos.

dori_mja_03.12.12-4

Se você está decidido a deixar o sedentarismo de lado e possui um Kinect, a melhor dica para este ano é adquirir o jogo Nike+ Kinect Training. Funcionando basicamente como um Personal Trainer, com ele você eliminará a necessidade de ir a uma academia ou gastar pequenas fortunas com a contratação de um professional, podendo melhorar sua forma sem sair de casa.

É claro que algo assim exige uma certa disciplina do usuário, que não poderá cair na tentação de “faltar a aula”, mas com os comentários dos professores virtuais sendo feito em português e o detector de movimentos servindo para verificar se você está realizando os exercícios da maneira correta, está aí uma excelente ferramenta para tornar sua vida um pouco mais saudável.

dori_mja_03.12.12-5

Journey pode ser descrito como uma interessante experiência casual ou mesmo uma viagem transcendental com um certo teor religioso, mas o fato é que após encarar a obra-prima de Jenova Chen, se torna difícil não aproveitar cada segundo da curta, porém simplesmente inesquecível, jornada que nos é proposta.

O jogo ainda se destaca por fazer com que os jogadores cooperem uns com os outros e por nos incentivar a jogar novamente e ajudar outras pessoas, além de contar com uma direção artística hipnotizante e uma jogabilidade simples, porém funcional.

Sem dúvida um conceito brilhantemente executado e que ficará marcado na memória de todos aqueles que tiverem o prazer de conhecê-lo.

dori_mja_03.12.12-6

Vez ou outra o mundo dos games nos surpreende com algumas pérolas que teimam em permanecer desconhecidas da maioria, mas que tem o poder de conquistar aqueles que lhes dão uma oportunidade e Spec Ops: The Line é um desses casos.

Em sua essência a criação da Yager pode não se diferenciar muito do que estamos acostumados a ver nos inúmeros jogos de tiro em terceira pessoa lançados todos os anos, mas quem teve o prazer de jogá-lo encontrou um dos enredos mais maduros e competentemente contados através de um jogo eletrônico.

Com uma narrativa bastante parecida com a do filme Apocalipse Now, a história do game tenta passar ao jogador as atrocidades cometidas em uma guerra, fazendo com que ele tenha até mesmo com que ele tenha um propósito educativo e por isso, se você estiver apenas procurando um jogo onde possa descarregar sua arma em inimigos sem precisar pensar muito nas suas atitudes, talvez seja melhor procurar em outro lugar.

dori_mja_03.12.12-7

Os fãs da franquia da Blizzard que me desculpem, mas eu esperava muito mais do que terceiro Diablo pôde me proporcionar. Não que o jogo seja ruim, longe disso, mas sendo desenvolvido por um estúdio detentor de um histórico praticamente irretocável e com a possibilidade de podermos ver como ficaria um novo game utilizando a tecnologia atual, eu imaginava que o Hack and slash conseguiria me prender mais.

Talvez o principal fator para me fazer ter perdido o interesse por ele ainda cedo seja a falta de um maior nível de personalização na árvore de habilidades dos personagens, mas o fato é que o jogo que tinha tudo para ser o grande lançamento do ano acabou gerando muita indignação em boa parte daqueles que o adquiriram e para piorar ainda mais a situação, até o momento os responsáveis não acenam com expansões que poderiam corrigir alguns dos equívocos visto no game design do Diablo III.

dori_mja_03.12.12-8

Desde a primeira vez que vi detalhes do Dragon’s Dogma gostei da sua proposta. A princípio imaginei que o jogo da Capcom seria uma versão melhorada do Monster Hunter, então veio sua demo e embora ela acontece apenas em um local fechado, gostei da jogabilidade. No entanto, foi somente ao encarar a versão completa que pude me dar conta da grandiosidade e complexidade do título.

Dragon’s Dogma é um RPG de ação da melhor qualidade, permitindo que o jogador esculpa seu personagem com as características que julgar melhor e oferecendo um enorme e detalhado mundo para ser explorado. No fundo acho que foi a imersão propiciada pelo game que me cativou de uma maneira como há muito tempo não acontecia e explorar o lugar por si só já é uma experiência que merece ser vivida.

Some a isso um excelente modo online que aproveita um pouco da ideia do Demon’s Souls, uma dificuldade que pode ser bastante desafiadora em alguns momentos e conteúdo suficiente para lhe manter ocupado por muitas dezenas de hora e pronto, está feito não apenas o melhor jogo de 2012 na minha opinião, mas um dos melhores dessa geração e que infelizmente poucos parecem ter experimentado.

Relacionados: , , , , , , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • Orakio Rob

    Ah, que legal, você jogou o Dragon’s Dogma!

    Eu peguei a demo há algumas semanas e fiquei apaixonado. O jogo está na minha lista de futuras aquisições, e eu queria mesmo achar um amigo que tivesse jogado.

    A impressão que tive foi a de que ele é um RPG que conta a história mais pela ação do que pelo blablabla. Que talvez não tenha uma trama cheia de firulas, mas que faz a gente se sentir heroico no combate mesmo. É isso?

    A demo do Xbox 360 tem duas missões: aquela em ambiente fechado (arrepiante quando o dragão pousa e chama o cara pelo nome) e outra a céu aberto, contra uma harpia (experiência incrível se pendurar no bicho enquanto ele voa).

    • A impressão que tive foi a de que ele é um RPG que conta a história mais
      pela ação do que pelo blablabla. Que talvez não tenha uma trama cheia
      de firulas, mas que faz a gente se sentir heroico no combate mesmo. É
      isso?

      É exatamente isso. O que mais gostei é que ir de um ponto a outro do mapa leva bastante tempo, então precisamos calcular bem os suprimentos para a viagem e ficar atento a cada passo para evitar ser surpreendido em emboscadas. Como disse, fazia tempo que eu não me sentia tão imerso num mundo virtual.

      • Orakio Rob

        Valeu Dori, agora fechou então! Vou comprar com certeza!

    • Cara, na boa… Compra ele e joga sem medo!
      A demo não faz jus à qualidade do jogo. Além de ter um modo de combate bastante interessante (e divertido), você vai sentir vontade de jogar com todas as classes que o jogo oferece, e zerar no mínimo 2 vezes.
      A satisfação que eu tive ao matar o meu primeiro Ogro foi bem semelhante ao que a gente sente com Dark Souls.
      Fico contente em ver ele indicado aqui como melhor jogo do ano.
      JOGAÇO! o/

      • Orakio Rob

        Se eu já gostei tanto da demo, imagino o jogo completo… vou comprar mesmo, provavelmente em janeiro para curtir as férias do trabalho. Valeu pela opinião!

        Aliás, comprei Dark Souls baratinho na Black Friday, tá aqui na fila esperando para ser jogado também.

  • Dori, vocês podiam criar então um prêmio do leitor ou algo do tipo para suprir a ausência da votação popular.

    • Só para deixar claro, acho válido esse estilo de prêmio desse ano, leva mais em conta a opinião de quem escreve o blog, que é o que procuro no MeioBit.

  • Voto embaixo do Sleeping Dogs e do Journey. Joguei ambos e adorei, cada um a seu modo 🙂

    Boas escolhas, Dori

  • Carlos Magno GA

    Eu não gosto (em parte) dessas listas, pois tem uma penca de títulos que só tem pra videogame e, portanto, eu não vou jogar nunca.

    E nem emulador daria, pois eu odeio jogar qualquer coisa que não seja jogo de SNES e Final Fantasy no controle.

    P.S.: Pelo menos o Sleeping Dogs eu acho que tem pra PC (Steam).

    • Sleeping Dogs, The Walking Dead e Spec Ops The Line tem para PC, além do Diablo III, claro.

  • Pingback: As 95 melhores imagens de 2012 – Segundo a Reuters « Meio Bit()

  • Pingback: Trilha do Journey é indicada ao Grammy « Meio Bit()

  • Pingback: Um resumo dos games em 2012 « Meio Bit()

  • Pingback: 1º episódio do The Walking Dead está de graça na Xbox Live « Meio Bit()

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Walmart, Cupom de desconto Ricardo Eletro, Cupom de desconto Extra, Cupom de desconto Adidas, Cupom de desconto Submarino, Cupom de desconto Americanas, Cupom de desconto Casas Bahia