Reality Deck–Quase um Holodeck, melhor que um Dreamatorium

dreamatorium

Não é todo dia que surge tecnologia capaz de impressionar um Dr Doom ou um Tony Stark da vida, mas o Reality Deck, projeto da Universidade Stony Brook, em NY, cumpre esse objetivo.

Saído do QG de um Ozymandias da vida, o Reality Deck não é um telão. Não é uma sala de “realidade aumentada” com um projetor safado mostrando um vídeo de um PC qualquer.

O projeto é o resultado de uma verba de US$1,4 milhões da Fundação Nacional de Ciências, suplementada com US$600 mil da própria Universidade, usados para criar um sistema de visualização de Big Data. Depois de dez anos de pesquisa, inauguraram dia 15 de Novembro A Sala.

 

São 3 paredes, com 10 metros de largura na maior, 5,8m nas laterais e 3m de altura. Essas paredes são compostas de 415 telas de alta resolução independentes, em um total de 1,5 Gigapixels. Em volta, 4 subwoofers e 22 alto-falantes completam a ambientação.

Isso tudo não está ligado em uma placa Trident da vida, mas em um cluster que totaliza 240 núcleos de CPU, 2,3 Teraflopts de performance e 1,2TB de memória distribuída. A pauleira gráfica é por conta de 80GPUs, totalizando 220 Teraflops e 320GB de memória gráfica.

O resultado é que esse bicho consegue mostrar em tempo real imagens de 45 Gigapixels, modelos de arquitetura com 40 milhões de polígonos e –dizem- roda Crysis em modo médio-alto.

Esse eye candy todo, claro, não é pra jogos e filmes educativos, como o pessoal do turno da noite COM CERTEZA bota pra rodar no Reality Deck, mas para visualização dinâmica de modelos meteorológicos, cartografia, astronomia e muito mais. Fora aplicações militares, claro.

Fonte: GM

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz e Calcinhas no Espaço.

Compartilhar
  • Na minha opinião as molduras tiram um pouco do ar inovativo.

    • Diego Rodrigo Tietz

      Pois é. Mas pelo visto o orçamento era limitado (US$ 2 milhões não são muita coisa pra um projeto desse naipe), então cubos de vídeo-wall tenham ficado pro futuro upgrade.

    • Ficou faltando…
      RealityDeck.ShowGridLines = False

  • Liberalino Maia

    Saudades de instalar o driver da Trident no Windows 3.11 for Workgroups… Só que não.

  • shaolinmaru

    “Isso tudo não está ligado em uma placa Trident da vida” hahahaha já sofri muito com uma dessas.

  • “e –dizem- roda Crysis em modo médio-alto.” Hahahaha! Ou seja, você nunca vai conseguir rodar Crysis em modo alto.

  • Pingback: Controlando um drone com um Oculus Rift()