A morte dos manuais dos games

dori_rdr_30.10.12

Aqui vai uma pergunta bem simples: Você costuma ler o manual de um game antes de começar a jogá-lo? Para muitas pessoas esses livrinhos não tem a menor importância e sem conseguir controlar a expectativa para começar aquele tão aguardado jogo, elas simplesmente os ignoram. Há no entanto aqueles que encaram a leitura de um manual como parte do ritual para se entrar no universo proposto por um game e se assim como eu, você se encontra neste segundo grupo, provavelmente deve estar lamentando a atrocidade que a indústria tem feito com os manuais.

Não é de hoje que algumas empresas tem feito trabalhos bem simples (para não dizer porcos mesmo) quando o assunto são os manuais, muitas vezes trazendo apenas uma ou duas folhas sem informações relevantes, isso quando se dão ao trabalho de incluí-los nos games. Só para citar um exemplo recente, ao abrir a caixa do Forza Horizon fui surpreendido ao perceber que dentro só havia o disco do jogo. Na hora pensei, “bom, deve ter uma versão digital do manual no game”, mas ao iniciá-lo… nada, apenas as típicas instruções iniciais.

Como ultimamente a inclusão de algum tipo de tutorial nos jogos é algo praticamente obrigatório, parece que as empresas chegaram à conclusão de que um manual é algo irrelevante, que ninguém se dá ao trabalho de ler, ideia que a inclusão digital ajudou a fortalecer. Apesar de serviços como o Steam e o GOG em muitos casos disponibilizarem versões digitais dos manuais daqueles jogos que distribuem, tenho a sensação de que eles são ainda mais ignorados do que as edições físicas.

As editores por sua vez defendem o fim dos manuais impressos alegando uma questão ambiental, embora fique a sensação de que elas estejam visando apenas um lucro maior, o que fica ainda mais evidente ao notarmos que muitos jogos à venda na PSN, Xbox Live ou Steam custam o mesmo ou até mais que a versão física, que além da caixinha e da fatia que cabe àrevenda, em alguns casos, veja só, acompanham um belo manual cheio de páginas.

Eu já tentei aceitar que as distribuidoras fazem isso para nos convencer de uma vez por todas que a distribuição digital é melhor, mas é importante dizer que o novo Forza não pode ser adquirido através da Live e o mesmo acontece com o Fable Journey, vendido fisicamente também sem manual.

O fato é que estava pensando em adquirir o Killzone Trilogy e como sempre faço, minha preferência é pelas versões com caixinha, tentando deixa minha coleção mais vistosa, porém, após constatar que mesmo importando o game gastarei no mínimo US$ 10 a mais do que se o adquirir pela PSN e ainda por cima correrei o risco de ter que engolir um manual horrível, cheguei à conclusão de que a compra digital está se tornando cada vez mais uma melhor opção e o pior é perceber que não apenas por méritos próprios, mas porque as companhias não tem feito o menor esforço para manter a venda física e por isso ter acesso a belos manuais será exclusividade daqueles que guardaram seu jogos mais antigo.

Relacionados: ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100001910602600 Carlos Santos

    putz, nem fale. Sou desses tambem que têm o ritual de ler os manuais…. Isso começou na época do Castle of Illusion, eu acho. Comecei a me interessar pelas leituras de manuais naquela época (eu era criança e como eram produzidos pela tec toy, eram todos em português) Como sempre foi importante pra mim, ainda continuo lendo mesmo os em inglês… Fico triste por estar caminhando para isso. Mas é uma tendência…Eu ainda sou daqueles que compra cd de bandas de rock ainda para ler os encartes… Realmente a mulecada nova não está nem aí para isso, não conheço ninguém que tenha de menos de 27 anos que ainda compra cds de música. Triste.

  • Keaton

    Já eu sou mais do tipo que gosta de descobrir como os controles funcionam sem olhar o manual. (Não olho o manual nem para instalar placa mãe ou coisas do genero, só RTFM quando alguma coisa sai EXTREMAMENTE errada. :p)
    Mas não que eu dispense completamente os manuais, eu leio só depois de jogar algum tempo. Gosto de ver o que tem escrito, digo, história, personagens e talvez algo que tenha passado em branco.

  • sebastiao coelho

    Manual agora é coisa pra edição especial. Pena que essas mesmas edições sejam tão caras.

  • paulokdvc

    Querem ver um exemplo de manual, olhem o do Dragon Age II. Eu mesmo não gosto muito do jogo, mas o manual é espetacular!

  • http://twitter.com/Cyber_Ramses/ Ronaldo Gogoni

    Nenhum jogo de PS Vita físico contém manual (lembrando que todos podem ser adquiridos digitalmente… pelo mesmo preço), ele está incluso na home do game. O mesmo vale para alguns games do 3DS.

    Não tem para onde correr: gastar papel é feio, distribuição digital é o futuro. E na cabeça das empresas, “se podemos aumentar a margem de lucro cortando gastos com impressão, prensagem, estocagem e transporte, por quê não?”

  • Raphael Pinheiro

    Sou do clube que sempre lê o manual. Especialmente se compro numa loja física, ou seja, deslacro o jogo ainda no caminho pra casa, e aí o que resta até a hora de colocar o jogo no console? Ler o livrinho, claro!

    Uma pena, mas é fato. Ontem mesmo comprei Fifa 13 e veio uma ridícula folha com impressão P&B da capa do jogo.

  • Pingback: Rockstar disponibiliza mapas de antigos GTAs « Meio Bit()