Square explica política de preços adotada para celulares

dori_dem_10.10.12

Recentemente a Square Enix fez a alegria de muita gente ao anunciar o lançamento do remake do Final Fantasy III para dispositivos Android, assim como a localização do Final Fantasy Dimensions. Estas seriam ótimas oportunidades dos fãs terem nos seus celulares e tablets dois capítulos da série Final Fantasy, mas muito gente não gostou nem um pouco dos preços cobrados por eles e durante uma entrevista a empresa tentou explicar o motivo de alguns de seus jogos custarem mais do que estamos acostumados a ver nessas plataformas.

O mercado de jogos para dispositivos móveis está amadurecendo e mudando frequentemente. Com os dispositivos evoluindo em termos de capacidade, a qualidade da experiência de jogos que oferecemos está aumentando também. Cada game recebe um preço individualmente e é avaliado de acordo com o tipo de jogo, complexidade e a experiência geral que oferece aos jogadores. Alguns dos nosso títulos mais caros oferecem mais de 60 horas de jogo com enredos ricos, gráficos de alta qualidade e combates desafiadores e variados.

Então, a justificativa te convenceu? Pois para mim ela até faz sentido, porém, a Square parece não ter se dado conta de que um dos motivos que fez com que tantas pessoas tivessem adotados os smartphones ou tablets como plataforma de game é justamente os títulos a preços irrisórios e por mais que não possamos comparar um Final Fantasy a boa parte dos games vendidos por um dólar na App Store, instaurou-se na mente das pessoas o conceito de que é possível obter diversão nesses aparelhos sem precisar gastar muito.

Só para citar dois exemplos, o Final Fantasy Tactics: The War of the Lions custa US$ 15 na loja virtual da Apple, US$ 5 a mais do que na do PSP, já a versão norte-americana do Demons’ Score com todo o conteúdo sai por quase US$ 50, sendo que no Japão o mesmo jogo pode ser adquirido por US$ 20. Isso me faz pensar se a Square está adotando a estratégia correta para o mercado ocidental, mas como as vendas devem estar acontecendo, acredito que o erro não seja tanto da desenvolvedora.

[via Polygon]

Relacionados: , , , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • A política da Square-Enix já é conhecida: ganância. “Independente do preço, o fã vai comprar”. Então, pra quê vender barato? Não concordo com isso, mas a empresa não está errada ao adotar essa tática.

  • Edmilson_Junior

    Resumindo: Vai incentivar a pirataria, uso apenas 2 softwares pagos, office e Need For Speed Shift. Quando trocar de aparelho irei adquirir Dead Space. Por que? Por que o jogo é bom e o preço é justo, se fosse algo único, sem nada parecido que pudesse substituir para o usuário médio eu até entenderia mas quem vai comprar vão ser apenas os fãs que querem ter o jogo em todas as plataformas pois para o usuário médio não vai atrair em nada.

    • O preço não incentiva pirataria… pirataria na verdade já ta no nível de sem-vergonhice .. Conheço mutos títulos top ai que custa de 2,99 a 9,99 (e vale cada cents.) e ainda assim os caras pirateia (a ponto de fechar os estúdios).

      • Edmilson_Junior

        Incentiva mas não é o único fator, concordo que está na sem-vergonhice, o povo se dá ao trabalho de procurar versão pirata para aplicativo de 99 cents, meu tempo vale mais que isso. Não é preciso pagar para se divertir, tenho aqui Cartoon Wars, Jetpack Joyride, Zenonia 3, Plants War, todos gratuítos, e o Great big war(tinha esquecido dele), que é pago e jogo pouco por causa da bateria mas já me divertiu bastante.

  • Eu até entendo que um RPG da Squaresoft tem uma grande complexitade, levam tempo para serem desenvolvidos e tudo mais. Mas Final Fantasy III é um remake de um jogo de 20 anos de idade lançado para o nintendo DS a 4 anos atrás. Nada justifica isso.

  • Tem
    o fator cultural também que precisa ser avaliado, entretenimento no JP é
    bem mais salgado que aqui. Pirataria lá dá cadeia MESMO e os produtores
    não querem canibalizar o mercado de portáteis. Bem acho que é isso.

    Não é só a Square, empresas como Cave (Dodonpachi) e outras também vendem jogos “carinhos” no iOS e Android.

  • Divite os titulos grandes e venda em varios capitulos com preços menores. O pessoal paga mais e reclama menos kkk

    • Pelo contrário, fizeram exatamente isso com o Final Fantasy Dimensions, que completo custa US$ 29 e todo mundo reclamou.

      • Então o negocio é soltar de “grátis” e encher de propaganda KKK ou cobrar pela moeda de jogo.

  • Leo_Koester

    Concordo e acho que esse é exatamente o problema das Stores da vida: baixa garantia de retorno financeiro gera baixa qualidade de jogos.

    Se cobrar um valor mais real vai melhorar a qualidade dos jogos, por mim tá beleza.
    Paguei R$ 35 no FF3 do Android e acho que valeu a pena (não pago nem R$ 2 em nada da Gameloft).