Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

E se tudo a nossa volta não passar de uma simulação?

Por em 12 de setembro de 2012
emCiência Games Miscelâneas relacionados    
Mais textos de:

Site | Twitter
  • http://www.facebook.com/sohakes Rafael Mariottini Tomazela

    A ideia não é nada absurda… até parece absurda em um primeiro instante, até percebermos que somos só um monte de moléculas ligadas de forma que a gente consiga pensar e etc. Nada diferente de uma máquina.

    Quero dizer, é extremamente plausível que futuramente a gente consiga simular um mundo como o nosso em um computador ou algo similar. Se entendessemos bem como o big bang ocorreu, por exemplo, poderíamos simular isso em um computador (caso ele fosse extremamente potente, e depois que soubermos exatamente como as moléculas se relacionam umas com as outras) para entender melhor nosso mundo, e talvez começasse a aparecer seres como nós lá… nada impede que nós sejamos o experimento de alguém também.

    Parece viagem, provavelmente não é verdade, mas nada impede.

  • André Kittler

    Não consigo me lembrar que autor que disse algo tipo isso: “se for possível criarmos um software que pense que está vivo, e nesse um ambiente que ele aceite como realidade, a maior chance é que somos essa criação”

    • José Luis Junior Segatto

      tá com cara de asimov

  • Joao Silva

    isso é igualzinho ao thirteenth floor: http://www.imdb.com/title/tt0139809/
    vlw!

  • http://www.facebook.com/people/Maurício-Girardi-Schappo/100000538233005 Maurício Girardi Schappo

    E eu te pergunto: de que importa sermos um programa de computador ou sermos a “primeira instância” da natureza?

    • http://pulse.yahoo.com/_C5JNAGLOG5LL77YCMPN65HV2WE Rodrigo

      Como o Tales Miranda mostrou, não faz nenhuma diferença. A não ser que é mais provável sermos a instancia 0.

      Discordo que se no futuro seja possível simular uma existência então nós já somos uma simulação(ideia abraçada por vários teóricos da física quântica e da Computação Evolucionária.

      • Luiz Felipe

        Na verdade não é mais provavel não, a chance é de 33% apenas. ou estamos na maquina real, ou estamos em uma LPAR, digo, em uma maquina virtual, ou não existe virtualização e estamos rodando no bare metal.

  • http://www.facebook.com/demian.max Demian Machado

    Parece próximo um futuro como o de Permutation City, de Greg Egan, mas sem escassez de poder computacional, graças aos consoles.

  • http://www.facebook.com/joaohenriquegodoy Joao Godoy

    Se isso um dia for verdade os computadores dessa realidade simulada um dia alcançarão a capacidade de criar uma nova realidade simulada, incluindo computadores e ( repita o clico infinitas veses ).

    Agora me responda, em qual dessas realidades vivemos? Quantas realidades acima precisariamos escapar até chegar na realidade 0?

    • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

      Certa vez li uma teoria de que o dia em que descobrirem o segredo do universo ele será reiniciado ainda mais complexo.

      • la_gomes

        Guia do Mochileiro das Galaxias – Douglas Adams

        • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

          Boa, não lembrava de onde tinha visto isso (não li o livro).

          • Rodolfo da Silva Carvalho

            Está esperando o que para ler o livro? Leitura obrigatória!

          • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

            Dúvida: O filme é bom?

          • Fausto Biazzi de Sousa

            Razoável, algumas coisas são premeditadamente modificadas, e outras foram mal adaptadas, mas é divertido. =)
            assista o filme e leia o livro! (e se tiver paciência pra caçar, ouça os programas de rádio!)

          • Edmilson_Junior

            Dori você pode ter ouvido em algum podcast que falou sobre o livro ou mencionou.

          • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

            Se não me falaha a memória, foi numa matéria sobre o Matrix publicada pela Super Interessante, mas posso estar errado.

      • Andre Fernandes

        Essa teoria aparece no Mochileiro das Galaxias do Douglas Adams.

      • DanielBastos

        Mais complexo e bizarro.
        Alguns dizem que isso já aconteceu :)

    • http://nada-aqui.posterous.com Marcio Neves Machado

      Então, 13º Andar. Quem viu o filme, saberá do que estou falando :)

    • http://www.facebook.com/marcelkappes Marcel Kappes

      se for calcular, muitas simulações recursivas iriam estourar a memória de qualquer computador, mesmo que do tamanho do universo, então tem um limite.

      • http://twitter.com/TalesM Tales Miranda

        Faz sentido. Para simular, teríamos que impor limites na simulação, tendo que fazer algumas simplificações para rodar em tempo real. Assim quando as pessoas dentro da simulação conseguissem avançar a ponto de fazer sua própria simulação, esta teria que ser mais simplificada ainda. Em algum momento uma das sub-simulações estaria tão simples que inviabilizaria a simulação.

        • DanielBastos

          Mas isso poderia aumentar em cadeia se a capacidade computacional da realidade 0 fosse amplificada dando margem pras subsimulações evoluirem, e, consequentemente, gerassem subsimulações.
          Nota: Não achei que iria ter tanta gente viajando no assunto como eu. Achei que ia ter meia dúzia de trols fazendo o texto perder a graça.

          • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

            Pelo jeito tem realmente alguém olhando por mim em algum lugar e atenderam meu pedido =]

        • Luiz Felipe

          Quem disse que precisa ser em tempo real?
          Certa vez eu rodei benchmark em uma maquina virtual e o resultado foi que ela era 2 vezes mais poderosa que a maquina real. A conta é o seguinte, vamos supor que a maquina virtual faça 100 instruções por segundo virtual, e que a maquina real faça somente 50 instruções por segundo real. Então a maquina real pode gastar até 0,04 segundos para fazer 1 instrução virtual. Logo, a maquina virtual vai rodar a 0,5 instrução por segundo em relação ao tempo da maquina real, mas em relação ao tempo relativo, ela vai ser mais rapida que a propria maquina real.
          Já diziam na fisica que o tempo é relativo.

      • Romulopb

        O universo é uma estrutura ainda não muito bem entendida, a matéria e energia não é a unica forma de se guardar informação já que ela pode ser gerada como algumas pesquisas já mostraram, do nada, então fica a duvida das limitações do próprio universo em sí…

    • http://experaguiar.myopenid.com/ Aguiar

      Simuluception?

    • http://www.facebook.com/bruno.lrck Bruno Lrck

      De acordo com a Teoria do Multi-verso, todas as infinitas. Impraticável, mesmo conceitualmente. Os átomos de elétrons estão aqui e , de repente, estão ali. Isso também é algo bizarro para nós. Átomos ainda podem interagir entre si mesmo a grandes distâncias, mesmo daqui e outro lá na lua.
      Se o Multi-verso for uma realidade, estou inclinado a a creditar que ele é uma “mola” que se estende ao infinito, sem início e sem fim.
      Ruim mesmo é ser um ser humano, saber disso tudo, mas ainda assim morrer. Nossa benção é nossa maldição.

    • Vinícius Angiolucci

      Acredito que a limitação é implícita. Eu não acredito que o computador mais potente que um dia fabriquemos será tão rápido quanto o Universo; não tem como … é algo “rodando” ou acontecendo sobre o Universo, consumindo de certa forma seus recursos, não será mais rápido que o Original. (Em computação é como rodar uma máquina virtual sobre um PC real, a VM jamais será mais rápida que o PC físico). Penso que a cada nova simulação, os recursos são mais limitados que o da simulação original.
      Mas note, mais lento não quer dizer nada, uma vez que um evento demore a ocorrer, cedo ou tarde ele vai ocorrer. Podemos ser uma simulação extremamente lenta e cada minuto nosso podem levar dias para acontecer fora da simulação. E isso não faz diferença, pois não temos o tempo externo ou nenhuma outra medida de fora como referência.

  • Cristiano Nascimento

    Nossa! E se construírem quatro paredes ao meu redor? Vou virar uma urna? hehehe

  • Tejobr

    Levando em conta que a dor – uma sensação que nos faz “perceber que existimos” – na verdade é uma simulação no cérebro, usada para auto-proteção, o que é real? Visão, tato, olfato, paladar, audição, todos esses sentidos são simulações.

    • Romulopb

      eu acredito que os sentidos sejam uma resposta a um processo e não uma simulação de algo, afinal nao existe uma dor mais “real” fora da percepção cerebral, o que pode existir é uma simulação de uma situação que pode induzir dor, através de sei la, remédios, mas enfim… de fato a ciência tem uma briga com a questão de que as observações são indiretas mas isso não é algo tocante a uma simulação mas sim a “exteriorização” da observação para com o objeto de observação…

  • http://www.shimatai.com.br Wagner Shimatai

    PQP! Descubriram que eu tô no controle! Hahahahaha….

  • Keaton

    todos sabemos que deus é o maior jogador de the sims do mundo. :P

  • Keaton

    “Em 30 anos esperamos que um Playstation seja capaz de computar cerca de 10 mil vidas humanas simultaneamente em tempo real, ou cerca de uma vida humana por hora.”
    Nossa. um Playstation seria capaz de fazer isso? Imagina só o PS3. :D
    okok. foi sem graça.

  • http://twitter.com/TalesM Tales Miranda

    Só um contato externo (de quem está nos simulando) poderia provar que somos uma simulação, e nunca poderemos provar o contrário. Mas como esse contato não existe (por enquanto) faz mais sentido assumir que somos o Zero, já que entre “estamos no universo real” e “estamos em universo simulado, mas que é totalmente incomunicável com o real”, não temos diferenças práticas, então cai na Navalha de Occam, onde a primeira o opção ganha por ser mais simples.

    • Raphael Figueiredo de Souza

      Acho que mesmo que seja uma simulação (as consequencias de estar ciente disso eu dispenso nesse comentário), não seria o NOSSO real? Existir, mesmo que numa simulação, ainda assim é existir, não? E se essa simulação é a unica “realidade” onde é possível existirmos, não seria ela mesma, para nós, Real? Conseguiu me entender? Huahuahua

      • Vinícius Angiolucci

        Sim, entendo e concordo, ahahahaha
        Por mais que sejamos uma simulção ou existam multiversos por aí,
        a nossa realidade ainda é o que vemos e sentimos a nossa volta,
        seja o que for o que entendemos como realidade, é a nossa realidade.

  • Bruno Cunha

    Quando uma pessoa ganha na Mega-Sena – na realidade é porque acabaram de fazer um “klapaucius”.

    • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

      BINGO!

    • Breno Simonetti

      klapaucius! hahahah! Tinha esquecido completamente dessa!

  • Romulopb

    uma coisa é simular mera rotina humana, esses playstation simularam a complexidade dos bilhões de átomos do corpo humano suas interações ligações e propriedades? Até la, nossa realidade é uma virtualização do espaço em sí no máximo.

  • arnoanderson

    Faz sentido. Isso explica porque na bíblia acontecia tanta coisa fora do comum: a versão anterior do Grande Console tinha gameshark.

  • DanielBastos

    Mas tudo o que está escrito aqui está no Guia do Mochileiro das Galáxias.
    A terra é um supercomputador que a vida é parte da sua matriz operacional projetado pra descobrir a pergunta fundamental. Só temos que ter capacidade computacional suficiente pra descobrir-mos com antecedência quando os Vogons vão chegar.

  • http://www.facebook.com/people/Marcelo-Eiras/1567301419 Marcelo Eiras

    O mais estranho é que a teoria da simulação é melhor ou na pior das hipóteses tão improvável como as teorias religiosas de vida e morte.

    • Vinícius Angiolucci

      Uma vez perguntei para um professor de Teoria da Computação .. ” e se vivemos em uma simulação? ” ele me respondeu que não há como provar, não tem como saber.
      Eu faço alusão com o modo que o processador roda um programa: um programa não sabe de recursos de timesharing ou limitação de memória…ele “vê” uma falsa abstração onde o processador e memórias são todos seus e o hardware cuida de fazer isso funcionar, dividindo o tempo do processador entre os vários processos, salvando seu estado para outro processo poder rodar também. Isso tudo de forma totalmente transparente ao processo, ele jamais percebe que está dividindo memória e processador e jamais “percebe” que não está rodando, uma vez que seu estado é congelado até ele voltar a rodar.

  • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

    Passou no Discovery.

  • http://profile.yahoo.com/H7BCPS2MFA2JJ5OJJV3UDIH2SI Lenno

    Se isso é uma simulação, o cara que controla a minha vida joga muito mal!!!!!!

    • Rodolfo da Silva Carvalho

      Ou não gosta de você e ferra com tua vida por querer.

    • Eng. Mateus Pires Leite

      Ou a sua vida não é algo tão agradavel para ele, então ele esculaxa tentando deixar tudo melhor ( para ele ).

    • Raphael Figueiredo de Souza

      Espera até ele te por na piscina e tirar a escadinha… hauhauhauhau

  • Demilson Rosseto

    Excelente artigo, Dori! Parece algo meio absurdo mas é uma hipótese muito válida sim; por esta hipótese, os milagres bíblicos não parecem ser tão impossíveis assim para quem tem a senha de administrador do sistema; no caso, um computador divino tipo MATRIX ou quem sabe a própria mente de Deus. E, por incrível que pareça, é muito provável que o programador e administrador do sistema já nos tenha visitado há cerca de 2000 anos atrás; pois, só que tem acesso direto ao ‘sistema’ poderia fazer as coisas que Jesus fazia!

    Para mim, um dos maiores mistérios, além da origem do universo e da origem da vida, é a origem da consciência, dos sentidos e dos sentimentos.

    Que arranjo de neurônios há no cérebro ou que elemento químico há dentro dele que nos faz não só interpretar e processar sinais eletroquímicos (como faz um computador ou robô); mas ver, ouvir e sentir dor de verdade, sentir alegria e tristeza, amor e raiva, etc?

    Quado olhamos para um objeto ou uma luz, não apenas interpretamos sinais luminosos, nós realmente os sentimos! Quando levamos um beliscão, não somente interpretamos os sinais eletroquímicos vindos dos nervos sensitivos, nós realmente sentimos dor de verdade!

    E isso foge de qualquer explicação pelas leis da física e da computação. Estamos tão acostumados com a consciência da visão e dos outros sentidos, que nem sequer percebemos o quanto isso é algo realmente ESPANTOSO!

    O famoso físico matemático Sir Roger Penrose, em seu excelente livro: “A MENTE NOVA DO REI”, especula sobre a origem da consciência; sendo que parece que ele acredita que a consciência emerge das interações quânticas entre as células cerebrais; mas isso também não passa de pura especulação.

    Eu já penso que os sentimentos não são coisa deste mundo físico, lógico e matemático em que vivemos. Se existe realmente a alma, os sentimentos devem ser parte de seus atributos e não do nosso corpo físico. A alma, talvez, seria o nosso verdadeiro eu e o nosso cérebro e corpo seria apenas uma interface entre o mundo espiritual e este mundo físico, lógico e matemático em que vivemos (quem sabe até sendo executado num tipo de “computador divino” tipo MATRIX)!

    Talvez isso seja apenas especulação minha, sem sentido ou fundamento científico nenhum. Mas chego até a duvidar (até prova em contrário) de que algum dia um robô será capaz de ter sentimentos reais, em vez de apenas processar informações!

    Acredito que é mais fácil fazer um robô ou programa de computador pensar do que sentir algo de verdade (se é que isso será algum dia possível). Para mim, essa é a grande diferença entre um ser humano e uma máquina; entre ser vivo ou não!

    O que será que é mais sensato dizer:

    “PENSO, LOGO EXISTO” ou “SINTO, LOGO EXISTO”?

  • http://twitter.com/dpelluzi dennis pelluzi

    Nos jogos do tipo sandbox (GTA, Assassin’s Creed), apesar de vc ter liberdade para ir aonde quiser, vc não consegue passar dos limites do universo simulado do jogo. Quem nunca pegou uma lancha em GTA IV e tentou ir do outro lado da ilha mas sempre achava uma barreira invisível?

    Se o nosso universo for simulado, talvez exista uma barreira que nos impede de ir além e então, nosso universo não seria tão grande assim. As luzes das galáxias e estrelas distantes seriam geradas nesse plano que define o limite do universo, dando a impressão que existe algo além.
    Vamos ver até onde a Voyager consegue ir.

    • Vinícius Angiolucci

      Existe uma barreira há 13 bilhões de anos luz. Nenhum telescópio ou outro instrumento fabricado pelo homem pode ver mais longe que isso. Essa distância é exatamente a distância até o marco-zero do Big Bang. Quando vemos uma estrela, a vemos no passado pois sua luz demora um certo tempo até chegar na Terra. Na prática. essa barreira há 13 bilhões de anos luz quer dizer que não podemos ver nada antes do Big Bang. Ninguém sabe ao certo o porque, mas será que antes do Big Bang existia algo a ser visto ?

  • Eng. Mateus Pires Leite

    É então, vai saber se o avanço da humanidade nada mais é que um upgrade de software e hardware nesse grande computador que nos controla, possibilitando assim que possamos fazer coisas melhores.

  • Henrique B

    As redes neurais ainda precisam evoluir muito. :-)

  • Leonardo Brito

    interessante…

    ah by the way se alguem estiver me controlando aperta ctrl+shift+c e escreve motherlode por favor!!!!!!!
    [nerd mode off]

  • Tio Bill

    Se ele ficou assim porque brincou de casinha no The Sims, imagina então como ele vai ficar quando for brincar de ser o dono da Via Láctea no Spore?!?

  • http://www.facebook.com/maicon.faria.92 Maicon Faria

    Qual o período do rand() deste universo?

  • http://www.facebook.com/people/Anderson-Andrighi/841759840 Anderson Andrighi

    Então finalmente os jogos da Bethesda vão ser terror hardcore. Se hoje os bugs em Fallout e Elder Scroll já são assustadores imagina em 2030?!

  • Megaram

    Muito doido isto tudo…. pra mim tem gente fumando a tal da erva demais, e estragada ainda por cima….

    Se somos uma simulação, então para o que? Como podemos simular o envio da curiosity para marte?

    • Fausto Biazzi de Sousa

      Cara, posso citar pelo menos três funcionalidades de uma simulação do universo com todas suas regras e limitações.

      1- Pesquisas sobre interação da matéria. Nessa simulação a existência de “vida virtual” poderia ser somente um subproduto do projeto inicial (de repente detectariam uma interação diferente nos dados e acabariam por descobrir que surgiu uma simulação da vida no meio dos bilhões de terabytes de informação. e ao invés de pausarem a simulação o departamento de física pode vir a chamar o de biologia pra estudar os resultados), porém isso levaria a crer que esse universo virtual é uma cópia (se não fiel, ao menos aproximada) do universo de seus criadores.

      2- pesquisa sobre comportamento social, simulando uma civilização desde seu inicio até seu declínio e seu comportamento diante de diversas situações. Dessa vez a vida virtual seria o foco, mas o universo poderia ser totalmente diferente do que vivem seus criadores e estar em constante mudança para implantação de novas variáveis.

      3- diversão! o jogador é o foco foda-se o que acontece com os players, se der pau desinstala e instala de novo, e sem peso na consciência se perder o save! =P

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100000850260790 Bruno Demétrio

    IDDQD
    IDCLIP

    Só testando, vai que o cara tá certo…

    • http://www.facebook.com/profile.php?id=1361364147 Paulo Ricardo Schwind

      Funcionar deve funcionar mas qual o teclado correto para digitar?

  • Tio Bill

    Pra quem se interessou pelo post recomendo que assistam os filmes abaixo:

    => Matrix (1999). Muitos já viram e conhecem.
    => 13º Andar (1999). Foi lançado no mesmo ano que Matrix, só que o brilho do filme foi ofuscado pelo último.
    => eXistenZ (1999). Com Jude Law, o filme fala sobre várias realidades simuladas, uma encima da outra, beirando a um fractal podendo assim dizer…
    => The Nines (2007). Com Ryan Reynolds, o “Lanterna Verde”. De todos os quatros esse com certeza é o mais louco de todos e que é o que mais condiz com o assunto desse post. Claro, assistam até o fim, pra poderem ligar os pontinhos! xD

    Iai, alguém conhece mais algum bom filme que tenha como tema principal “as realidades simuladas” ?

    • http://nada-aqui.posterous.com Marcio Neves Machado

      Nunca vi esse The Nines. Nem ouvi falar. Mais louco que o eXistenZ??? GENTE!!

    • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

      Era spoiler, foi mal.

      • http://nada-aqui.posterous.com Marcio Neves Machado

        O chato é que isso é um PUTA spoiler do filme :)

        • Tio Bill

          Verdade! kkkk

        • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

          Pior que é verdade, nem tinha me ligado, já apaguei.

    • Antonio Azevedo

      Antes e muito mais antigo que estes filmes e livros todos, existia um livro chamado Simulacron 3.

      • http://www.facebook.com/profile.php?id=1361364147 Paulo Ricardo Schwind

        Tem outro conto , uma distopia, de nome “I Have No Mouth and I Must Scream” , o que pode ser definido como o que aconteceria numa realidade virtual se o computador pegasse vírus…

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=822223585 Luiz Felipe Ravazi Pereira

    Minha explicação do porquê em pesquisas por mais que as moléculas possuam outros estados aparecem apenas alguns poucos (…já que na mecânica quântica, as partículas não possuem um estado definido a menos que estejam sendo observadas…) está aqui:
    Seja o que for que peçais na prece, crede que o obtereis e concedido vos será o que pedirdes (Mc 11:24)
    Agora devemos meditar, buscar traduções mais fiéis aos manuscritos originais, buscar o contexto destas palavras de Jesus e então tentarmos entender :)

  • Vinícius Angiolucci

    Num primeiro momento esse tópico parece uma viagem, mas o mais impressionante é que faz sentido. Já li algumas teorias que falam a respeito disso e existe sim cientistas e filósofos que acreditam nisso.
    Algumas hipóteses que podem sugerir que vivemos em uma simulação são:

    - Mecânica quântica; neste contexto, a realidade varia de acordo com a consciência, algo realmente existe a partir do momento que o percebemos;

    - Quantização da informação: assim como nos computadores a unidade mínima de representação é o bit ou o pixel, na vida real também temos essas unidades; a menor unidade de massa é medida em relação a massa de um próton ou neutron e demais partículas como elétrons ou subpartículas como quarks possuem massa irrelevante (isso será por que chegamos ao estado onde matéria é só energia, sem massa? ). Energia também é quantizada em ……. quantas!
    Enfim, assim como num computador, na vida “real” a informação existe em pacotes pequenos de tamanho mínimo.

    - A espécie humana é muito jovem se comparada com a idade do Universo conhecido. Se hoje já temos capacidade de simular vida ( The Sims, TIERRA, AVIDA, ….)a probabilidade de alguém já ter feito isso antes é bem alta.

    Enfim, é um assunto que mistura filosofia, física e até mesmo um pouco de fé e que depois de parar uma vez para pensar, eu não descarto totalmente.

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=100001910602600 Carlos Santos

    como explica a diferença de linguas faladas por nós? Os q estão “nos jogando” moram em planetas diferentes?

  • http://twitter.com/devcouto Luan Couto

    Excelente post, parabéns!
    Como desenvolvedor e grande fã de Matrix e Inception, já tentei fazer um algoritmo que simulasse mundos (instâncias de classes) em diferentes camadas (usando recursividade, pois cada mundo acredita que é o real – e não tem acesso a camadas externas, e também cada mundo é responsável por criar seu ‘sub-mundo’) alterando variáveis de instância (limites do ‘mundo’) de acordo com o nível da camada (a.k.a evolução).
    Mas confesso que não consegui terminar e abandonei a ideia.
    Ótimas dicas de filmes e livros nos comentários, obrigado por essas informações!

  • Rafael Siqueira

    Cara a dois dias atrás eu estava pensando a mesma coisa e isso mim intrigou muito por isso resolvi procurar e agora estou mais intrigado ainda …

    PS:Ótimo trabalho