Digital Drops Blog de Brinquedo

A era do usuário acabou

Por em 9 de julho de 2012
emArtigo relacionados
Mais textos de:

Site
  • http://pulse.yahoo.com/_P6PTEZOSK7E3CKE2QZYVX2ZYRE Kenji

    “Chegamos ao blu-ray sem saber sequer programar o relógio do video-cassete.”

    • http://ceticismo.net André

      O problema dos profissionais é achar que os usuários comuns têm obrigação de se interessar pela mesma coisa.

      • http://twitter.com/crazyseawolf Crazyseawolf

        O problema não é interessar, e sim ter o mínimo de conhecimento para usar tal tecnologia, e se não tiver, que corra atrás.

        • http://ceticismo.net André

          Vc vai num médico. Escolha duas opções:

          1) Um médico que estudou a fundo sua especialidade e terá uma resposta clara e objetiva sobre o seu problema e usará todo o seu conhecimento adquirido para resolver o seu problema.

          2) Um médico nerd que formata HD, instala driver de placa de vídeo, faz malabarismo em C++, Visual Basic ou COBOL, que teste todos os sistemas operacionais do mercado, além de ficar tuitando o dia todo.

          Sei lá, mas eu estou pouco me lixando se o meu médico não sabe criar uma tabela no Excel, desde que me cure.

          Outra coisa: ainda me recuso a usar o termo “tecnologia” para algo exclusivo no uso de computadores. Um índio manda informações com um tambor. O tambor é ferramenta tecnológica, então o indiozão seria uma espécie de técnico em TI. :)

          By the way, eu me lembro que há alguns anos havia a ideia que todos dominariam eletrônica, todos tinham que fazer curso de datilografia e homem que é homem sabia consertar seu próprio carro. O mundo evolui, e evolução não implica em melhoria. ;)

          • http://twitter.com/bqeg Marcel

            Meu DEUS olha essa metáfora.

          • http://ceticismo.net André

            Meu HADES, olha só esta capacidade argumentativa!

    • http://www.facebook.com/thiagobaurusp Thiago Franco Martins-Tiro

      Concordo com vc !!!
      E mais, acredito que a genialidade dos ricos de hoje foi ver que a maioria dos seres humanos são preguiçosos(e muitos realmente primatas) e não irão querer aprender e sim apenas usar…
      Serio o gênio alguém que colocar conexão com a internet e arrumasse o relógio sozinho… kkkkkk

  • http://ceticismo.net André

    “Ainda há uma diferença importante entre quem ganha a vida com tecnologia e quem apenas absorve a tecnologia em seu dia-a-dia, mas essa diferença é cada vez menor.”

    Se vc separa as categorias no sentido “pessoas que trabalham diretamente em Tecnologia de Informação” e “pessoas que usam computadores”, eu discordo da frase acima. Eu lido exatamente com isso, pois trabalho com tecnologia educacional (lembrando que “tecnologia” não tem nada a ver com computadores, apesar do inverso não ser verdadeiro). Em mais de um colégio os professores e demais funcionários mal sabem que existe um outro navegador além do Internet Explorer. Houve uma série de reclamações onde um colégio substituiu o XP pelo Win7. Os que apenas usam são em maioria nunca vista, e este número tenderá a crescer.

    Sempre mencionam a tal “zona de conforto”. A mesma zona de conforto que nos faz gastar muito mais água e energia elétrica lavando roupa numa máquina do que na mão em um tanque. Quantas donas-de-casa sabem programar a máquina de lavar, usando a opção de “economia de água”? Poucas (quase nenhuma), pois querem tascar a roupa lá, e virar o botão. Diabos, eu não entendo nada de mecânica automotiva e dirijo um Lamborghini da Volkswagen. Eu configurei o relógio do meu vídeo-cassete. Na primeira queda de luz ele ficou lá no 12:00 e minha preguiça impediu de configurar de novo, o que não me impediu de usá-lo. Todo mundo que dirige já fez barbeiragem no trânsito (mente quem disser que não). Diariamente nos colocamos em risco até mesmo ao atravessar a rua de qq maneira, por que a maioria das pessoas teria maiores cuidados em clicar no banner em que somos o 999999999999º visitante?

  • Well Dias

    Da dificuldade do uso da tecnologia, não é um problema dos usuários. Se para deixar os sistemas mais seguros as pessoas comuns tem que pagar o preço da complexidade, então os engenheiros da computação (eu incluso) e todos os outros profissionais da área não estão fazendo direito seus trabalhos.
    Um profissional qualquer da área de TI, chamar as pessoas de burras por se preocuparem mais em cuidar das suas vidas do que dominar uma técnica de uma tecnologia qualquer beira ao absurdo. É admitir sua própria incompetência. Não é outra coisa se não um sério problema de auto estima, da necessidade de se sentir bem por saber algo que o próximo não sabe. É síndrome “do o meu é melhor que o seu”.

  • http://twitter.com/nelson_integra Nelson Nepomuceno

    “O fim do usuário”…
    A diferença é que hoje o usuário é mais dependente da tecnologia. Mas continua não entendendo seu funcionamento. Quem é apenas consumidor de tecnologia continuará sendo apenas isso.

    • http://ceticismo.net André

      Todo mundo depende de eletricidade em casa. Quantos efetivamente entendem como um rio vira choque elétrico?

  • http://meiobit.com/author/max_laguna Emanuel Laguna

    São noventa e nove vírgula nove por cento: nos idiomas latinos utilizamos a vírgula como separador decimal, não o ponto, o qual é utilizado para organizar cada três algarismos nos números grandes. ;¬)

    • http://ceticismo.net André

      A norma diz que não é pra ser usado ponto e sim espaço para separação de milhar. Usamos ponto para não zonear o texto, mas é errado.

    • http://twitter.com/CarlosBoson Carlos Alexandre

      Erro Meu.

      Já arrumei

  • gabriel figueiredo

    Assim, na boa, em 2008 esse post seria chamado de prolixo e puro wishful thinking. Hoje ele só velho.

    Talvez ao dizer 2008 eu ainda esteja sendo generoso. Acho que já li variações desse mesmo texto desde que eu leio sobre tecnologia, uns 10 anos.

  • http://twitter.com/bqeg Marcel

    Eu tenho uma boa noção do que acontece na vida de um Analista de Suporte. Fui um por anos, mas estudei bastante e fui promovido a Gerente de Service Desk (o chefe dos Analistas de Suporte). Eu tenho certificação ITIL e implementei projetos. Acredite, se tem alguém que sabe o que se passa com o Suporte sou eu. Quem sabe na próxima vez você pergunte antes de falar bobagem.

    • http://twitter.com/CarlosBoson Carlos Alexandre

      Tudo bem, deveria ter perguntado primeiro. Desculpa se te ofendi.

      Mas que os usuarios aprontam cada uma… isso aprontam.

  • http://www.facebook.com/people/Tiago-Morais/100001995734858 Tiago Morais

    HUAHUAHUAHUhuA isso é verdade
    muita gente não conseguia “me excluo dessa ;)”

  • aspepper

    Texto excelente. Me fez pensar muito sobre um grande desafio sobre segurança. Como implementar segurança de forma transparente ao usuário?

  • Keaton

    Video cassetes tinham relógio? what!!

  • Ramon E. Ritter

    Concordo que o usuário hoje em dia precisa entender um mínimo sobre segurança e tecnologia (como um bom motorista precisa entender um mínimo sobre o funcionamento de um carro). Hoje é impensável usar um computador sem um antivírus e um firewall instalado. E se não conhecer um pouco de engenharia social, irá ter seus dados e conta bancária roubados mesmo assim.

    O problema da segurança é que a maioria das alternativas apresentadas são ruins. Não gosto de ter que trocar senha a cada 30 dias em trocentos serviços diferentes, como não gosto do teclado virtual dos bancos. Uma solução (pelo menos na minha opinião) é o uso de certificados digitais (preferencialmente do tipo A1).Isso eliminaria 99% das fraudes, dando segurança a todos os envolvidos. Entretanto, como tem um custo maior, acaba sendo deixado de lado.

    Trabalhei em um órgão do governo de São Paulo onde todas as máquinas tinham leitores de smartcard e logon na rede só com seu cartão. Remover o cartão travava a estação na hora. E como para cometer uma fraude usando as credenciais de terceiros exigia que se tivesse o cartão E soubesse a senha, a solução impedia (pelo menos não fiquei sabendo de nenhum caso de roubo de identidade lá) fraudes.

  • tenfelipe

    Olá Marcel,

    Discordo em muito da sua visão.

    “As pessoas querem segurança, mas não querem lidar com ela.” Sim, é isso mesmo!

    “De alguma forma mágica, sistemas devem instantaneamente tornar-se seguros e de forma transparente.” – Mas é claro! É para isso que eu pago as pessoas que estão desenvolvendo esses sistemas!

    “De fato, seria lindo, mas enquanto houver humanos envolvidos no processo, a realidade é outra.” – Nada disso! Se essa fosse a regra, ainda estaríamos usando DOS! Veja ai o caso de sucesso do Windows. Os caras criaram uma interface que descomplicou o mundo da informática de tal forma que até minha mãe começou a usar computador! E, lógico, encheu o rabo de dinheiro no processo.

    Quer outro caso? O iPhone. Falem o que quiserem, mas o fato de a Apple ter aplicado toda uma filosofia de “just works” no seu sistema fez dele o aparelho de telefone celular mais vendido no mundo por anos e anos consecutivos. E ainda hoje, milhares de pessoas se matem fiel a ele por esse fato. Mimimi, a Apple é tirana, mimimi, não posso personalizar, mimimi, liberdade. Isso tudo é papo de geek. O que o tiozinho quer é usar um telefone que não pega virus, f#da-se se ele só pode baixar aplicativos da App Store. E mais uma vez, alguém ficou zilionário por ter descomplicado a informática.

    Então, cara, a oportunidade está ai. Quer ficar mais rico que o rei de Dubai? Crie um sistema antibizonho que impeça as senhas de banco serem roubadas. Não adianta adotar essa postura de que o usuário é o culpado, porque isso não cola.

  • cquintela

    Piada velha… só duas profissões tem usuários, traficantes e profissionais de TI.

  • http://www.crashcomputer.tk/ Gradius

    Se tem uma coisa que nunca vai deixar de existir é o tal de “usuário”. Trabalhe em um suporte de qualquer coisa e tu vai ver que “usuários” e “idiotas” são as duas coisas mais abundantes do universo. Detalhe, em geral as duas coisas andam juntas.

  • Ricardo Lisboa

    Isso me faz lembrar o comentário de um técnico de suporte em informática na minha empresa no ano passado: Ele veio até o meu setor para explicar como fazer backup dos e-mails no outlook e otimizar o tamanho das pastas de arquivo, para não haver perda de dados. Explicou que esse procedimento é corriqueiro e que a empresa falha por não contratar funcionários que não sabem configurar um outlook…